Uma análise conceitual das teorias de liderança e motivação

Share

Uma análise conceitual das teorias de liderança e motivação

motivação e liderança

Liderança e motivação direcionam os comportamentos dos funcionários na organização

Liderança é um fenômeno importante que permite agir na direção de um objetivo. O recurso mais importante a ser alcançado é o fator humano.

Os recursos organizacionais são limitados.

Uma das maneiras mais importantes de direcionar o poder humano é implementar práticas de liderança eficazes, demonstrando habilidades e motivando os funcionários.

Conceito de liderança

A característica comum das definições sobre liderança é que ela é “um processo para reunir pessoas em torno de certos objetivos e alcançar esses objetivos.

Nos estudos, verifica-se que diferentes características pessoais vêm à tona no exercício da liderança. Essa combinação de recursos pode ser sintetizada com as seguintes capacidades:

  • tomar decisões; e
  • garantir e estabelecer honestidade, confiança, franqueza e respeito pelos funcionários.

Teorias de Liderança

Ao examinar os estudos da literatura, verifica-se que as teorias da liderança estão agrupadas em quatro categorias distintas.

• O período de traço e teorias de traço (antes de 1940)
• O período das teorias comportamentais (entre 1940 e 1960)
• O período das teorias de contingência (1960-1980)
• Novas abordagens e teorias de liderança (dos anos 1980 até o presente).

Abordagem de traços

A primeira abordagem desenvolvida sobre liderança é a abordagem de traços. Nesta teoria, o ponto central considera que os líderes

têm características físicas e habilidades que os distinguem dos outros.

Os testes realizados encontraram as seguintes características do líder:
• Características físicas: Energia e ser ativo.
• Inteligência e habilidade: Julgamento, conhecimento, fluência e precisão.
• Personalidade: Criatividade, franqueza, honestidade e comportamento ético.
• Características ocupacionais: motivo de realização, desejo de estar à frente, motivo de responsabilidade, autodirecionamento e assumir responsabilidade por atingir metas.
• Características sociais: capacidade de cooperação, prestígio, ser popular e social, habilidade interpessoal, participação social, cortesia e graça.

Essa teoria tem mostrado que, em algumas situações, certos membros do grupo têm mais do que as características do líder.

Teorias Comportamentais

A abordagem comportamental é baseada nas características da liderança, e não nas características do líder.

Ela é focada no comportamento em relação aos membros do grupo. A maneira como o líder se comunica com seus subordinados. Se delega autoridade, planejamento e forma de controle, maneira de estabelecer metas, etc.

Portanto, o comportamento do líder é que tem  importância.

Liderança é o papel desempenhado por um indivíduo em um grupo e o papel do grupo sobre o líder. É um processo de interação baseado na formação das expectativas dos membros do grupo.

O líder reflete os esforços dos membros do grupo.

Embora os pensamentos, motivos individuais e atitudes nem sempre sejam claros (visíveis), o comportamento de um líder é perfeitamente visível.

Teorias de Liderança Situacional

Essas teorias consideram que a eficácia do líder pode se desenvolver dependendo das situações.

Ele tem o poder de direcionar as ações de uma comunidade com suas qualidades e características comportamentais.

Além dessas habilidades, o líder deve se adaptar às condições ambientais internas e externas.

Existem as seguintes abordagens de contingência na liderança:

• Teoria da Contingência de Fiedler.
• Teoria da Liderança Sequencial.
• Teoria do propósito do caminho (Robert House e Martin Evans).
• Teoria Normativa de Vroom e Yetton.
• Teoria da Liderança Situacional de Hersey e Blanchard.
• Teoria de rejeição da liderança tridimensional (líder eficaz e ineficaz).

O ponto comum dessas abordagens é:

um estilo de liderança orientado para a tarefa ou relacionamento.

Em alguns casos, um estilo de liderança centrado na tarefa pode não ser válido. Pelo contrário, em algumas situações, um estilo de liderança centrado no relacionamento pode ser produtivo e eficaz.

Novas abordagens de liderança (teorias pós-modernas) e seus tipos

Graças às mudanças nas dimensões ambientais, organizacionais e individuais provocadas pela competição global, estudiosos lançaram as bases para o desenvolvimento dessas novas abordagens.

As principais teorias que são discutidas no âmbito dessas abordagens são:

  • Teoria da Liderança Carismática;
  • Teoria da Liderança Transacional;
  • Teoria da Liderança da Liberdade Total;
  • Teoria da Liderança Visionária; e
  • Teoria da Liderança Transformacional.

Liderança Carismática

Carisma pode ser entendido como:

autoridade, fascinação irresistível exercida sobre um grupo de pessoas, supostamente proveniente de poderes sobrenaturais.

Consideram-se cinco capacidades que revelam a natureza e a dinâmica da liderança carismática:
• avaliar a situação e diagnosticar problemas;
• visão e habilidade de planejamento;
• comunicação;
• exibir um comportamento exemplar; e
• fortalecimento.

Os líderes carismáticos costumam exibir três comportamentos importantes.

  1. demonstrar uma visão ideológica;
  2. explicar as expectativas de alto desempenho; e
  3. permitir que o público desenvolva autoconfiança.

Liderança transacional

Líderes transacionais possuem características mais gerenciais. Costumam desenvolver um programa contínuo, com esforço na comunicação, na definição de metas específicas e na solução de problemas.

Possuem habilidades de negociação, tomada de decisão e desenvolvimento de funcionários.

Liderança Laissez-faire

É um estilo de liderança que permite total liberdade. Os membros da equipe precisam se educar e encontrar a melhor solução para seus problemas.

Quando julgar necessário, quem quiser pode formar um grupo com quem quiser. A principal tarefa do líder é sua disponibilidade para o grupo.

O líder só dá sua opinião quando questionado sobre qualquer assunto. Mas esta opinião não é obrigatória para o público. Esse tipo de liderança deixa seu direito de exercer autoridade completamente para seus subordinados.

Liderança Visionária

Uma grande visão de futuro que une os indivíduos dentro de uma estrutura de sonhos comuns. Líderes visionários estão sempre prontos para novas informações.

É o tipo de líder que abre caminho para os liderados. Ele é quem pode mostrar a visão de futuro, dizer aonde quer ir, mas não fornece informações de como chegar. Assim, permite que os indivíduos inovem e assumam riscos. Além disso, os líderes visionários insistem o que planejam fazer.

Eles não desistem facilmente, têm altas habilidades de persuasão e desenvolvem as visões para o grupo.

Liderança Transformacional

Os líderes transformacionais fornecem motivação para os funcionários, revelando consciência de missão e visão entre os indivíduos.

Faz um esforço para aumentar o interesse dos membros do grupo pelos objetivos.

A liderança transformacional pode ser resumida como

“o grupo em termos de suas funções e objetivos, aumentando a conscientização dos colaboradores, proporcionando o desenvolvimento do grupo, ampliando os interesses dos seguidores”.

Uma visão geral das teorias de motivação

A motivação é o que move as pessoas, seus pensamentos, esperanças, crenças, desejos, necessidades e é um conceito que expressa seus medos.

Três fatores formam a base da motivação:

  • fazendo uma pessoa agir;
  • direcionando e mantendo o comportamento; e
  • sentindo uma felicidade especial por ter aquele comportamento.

Maslow

Abraham H. Maslow foi um dos primeiros especialistas em gestão a examinar a motivação. Maslow escreveu sobre as necessidades humanas em 1943.

Ele dividiu as necessidades humanas em cinco categorias e  as tratou hierarquicamente. Depois que as necessidades mais baixas são atendidas, a pessoa passa para a próxima categoria de necessidades.

Em uma organização, a motivação depende do estilo de gestão, do ambiente em que vive e do uso que faz desse ambiente. Ela varia de acordo com os valores culturais.

Outras teorias

Muitas teorias sobre motivação foram desenvolvidas. Elas são divididas em dois grupos principais.

O primeiro são as “Teorias de Conteúdo” ou “Teorias Tradicionais” que enfatizam fatores internos. O segundo, “Teorias do Processo ” ou “Teorias Modernas”, que enfocam os fatores externos.

Teorias de Conteúdo estão relacionadas ao que faz as pessoas serem motivadas, o que leva o indivíduo a agir.

Já as Teorias de Processo estão relacionadas a como essa motivação é gerada.

Teorias de conteúdo

Seguem três teorias motivacionais agrupadas sob o nome de teorias de conteúdo.

  • Teoria da hierarquia das necessidades desenvolvida, de Abraham Maslow;
  • Teoria dos Dois Fatores (ou Teoria da Higiene-Motivação), de Frederick Herzberg; e
  • Teoria das necessidades adquiridas, de David MC Clelland.
Teoria da hierarquia das necessidades, de Maslow

De acordo com esta teoria, as necessidades humanas são fisiológicas. Elas são agrupadas em 5 categorias.

  1. necessidades fisiológicas
  2. de segurança
  3. sociais
  4. de estima
  5. de autorrealização

Essas necessidades são descritas resumidamente a seguir:

Necessidades fisiológicas: são as necessidades básicas que as pessoas têm e desejam desde o nascimento (comer, dormir, respirar, etc.)
Necessidades de segurança: as pessoas desejam que suas vidas e propriedades sejam protegidas. Da mesma maneira, elas querem se proteger contra pressão e coerção. Além disso, velhice, doença,
desemprego etc. Contra essas situações, as pessoas querem que seu futuro seja garantido.
Necessidades Sociais: Depois das necessidades fisiológicas e de segurança, o aspecto social do ser humano é mais importante. Por exemplo, amar, ser amado, pertencer a um grupo, compaixão, caridade, etc.
Necessidade de estima: as pessoas desejam ser respeitadas, amadas, reconhecimento, posição social e status, etc.
Necessidade de autorrealização: O indivíduo, que atendeu as suas necessidades, realiza seus ideais e habilidades no último estágio. Nesta etapa, procura realizar seus ideais, conquistar e desfrutar.

Teoria dos Dois Fatores, de Herzberg (Higiene-Motivação)

Esta teoria é dividida em Fatores Higiênicos ou Extrínsecos e Fatores Motivacionais ou Intrínsecos.

Os fatores higiênicos estão relacionados ao trabalho, como:

  • salário
  • benefícios
  • condições de trabalho
  • políticas e diretrizes, etc.

Se os fatores de higiene não forem satisfeitos, ocorrerá a diminuição da motivação.

Já os fatores motivacionais estão relacionados ao o conteúdo do cargo e suas tarefas, que quando atendidos ou não podem gerar a satisfação, ou insatisfação.

Embora afetem as atitudes dos funcionários em relação ao trabalho a longo prazo, os fatores de higiene têm uma duração mais curta.

Teoria das necessidades adquiridas, de David MC Clelland

A Teoria das Necessidades Adquiridas reitera que há três necessidades que sealternam entre si durante a vida, sendo elas realização, poder e afiliação.

A realização corresponde ao desejo de uma pessoa em atingir objetivos que representem desafios, em fazê-los melhor e mais eficiente.

Para McClelland, certo número de características define um empregado orientado para a realização. Pois as pessoas trabalham com mais afinco quando percebem que irão ter um crédito pessoal por seus esforços, quando existe apenas um risco moderado de fracasso e quando recebem um retorno específico pelo desempenho passado.

As pessoas orientadas para realização trabalham mais quando seus superiores oferecem uma avaliação detalhada de seus comportamentos no trabalho.

O poder caracteriza o desejo de controlar, influenciar e ser responsável pelo desempenho dos outros.

As pessoas motivadas pelo poder querem criar um impacto em suas organizações e assumem riscos ao fazê-lo.

Elas tornam-se excelentes administradores caso suas necessidades sejam de poder institucional em lugar do poder pessoal.

Entende-se por poder institucional a necessidade de influenciar o comportamento dos outros para o bem de toda a organização, ou melhor, estas pessoas procuram o poder através de meios legítimos e ascendem as posições de liderança através de sucesso no desempenho, sendo por isso aceita pelos outros.

Mas se a necessidade de poder for do tipo pessoal, este indivíduo tende a ser um líder organizacional mal sucedido.

Por fim, a afiliação caracteriza-se com o desejo em manter relações pessoais estreitas e de amizade.

“Pessoas orientadas para a afiliação tendem a escolherem amigos para estarem a sua volta. Estas pessoas sentem-se satisfeitas quando estão com amigos e desejam liberdade no trabalho para desenvolverem estes relacionamentos”.

Teorias de Processo

O ponto de partida das “Teorias de Processo” é para quais propósitos e como os funcionários são motivados.

Em outras palavras, “repetição ou não repetição de um comportamento exibido pela pessoa”. Como isso pode ser alcançado?

As principais teorias em consideração serão brevemente descritas a seguir.

Teoria da expectativa de Vroom

Pode ser considerada a teoria mais completa dentre as teorias motivacionais de processo.

Segundo Vroom, que introduziu a teoria da expectativa, a motivação depende de dois conceitos: valência e expectativa.

O conceito de valência refere-se ao grau em que uma pessoa prefere um determinado resultado. Ou seja, expressa a escolha feita no ponto de se vale a pena chegar ao resultado ou não.

O que importa é o valor conceitual dos resultados, não o valor real. Valor conceptual, nomeadamente valência. É o nível de satisfação que se espera do resultado que se quer obter.

O conceito de expectativa expressa a possibilidade que a pessoa percebe, ou seja: a probabilidade de que certo esforço seja recompensado com certa recompensa.

Se ela acredita que alcançará a recompensa, seu esforço aumentará. O sucesso nesta teoria é em grande parte uma função de um comportamento recompensado.

Esses são os fatores que determinam a motivação em cada indivíduo para produzir:

  • a força de vontade para atingir metas ou objetivos pessoais;
  • a percepção que o indivíduo tem sobre a relação entre produtividade e o alcance dos seus objetivos; e
  • a medida que o indivíduo percebe a capacidade que tem de poder influenciar seu próprio nível de produtividade.
Teoria da Equidade, de Adams

A base desta teoria é que os funcionários desejam ser tratados de forma igual nas relações de negócios.

A ideia é que a situação afeta a motivação. Como resultado da pesquisa de Adams, indivíduos sempre comparam as recompensas dadas a si mesmos com as recompensas dadas aos outros.

Até que ponto as recompensas consideradas adequadas para eles são iguais às de realizações semelhantes, obtidas por outras pessoas?

Nesta teoria existem os parâmetros de compensação injusta e compensação justa.

Para os parâmetros de compensação injusta as pessoas sentem-se insatisfeitas e tendem a reduzir as suas contribuições, podendo até mesmo sair da organização.

Já para os parâmetros de compensação justa, as contribuições para a organização continuam idênticas e quando a compensação está acima da recebida por outras pessoas aumenta a tendência para um maior esforço.

Se uma compensação for maior ou menor do que outra, a igualdade é quebrada. Em caso de desigualdade, a motivação dos funcionários diminui.

De acordo com essa teoria, o sucesso e a satisfação de alguém no trabalho está intimamente relacionado com a igualdade ou desigualdade percebida no ambiente em que trabalha.

A maioria dos empregados está preocupada com alguma coisa a mais do que ter suas necessidades satisfeitas; eles também querem que o sistema de recompensas seja justo. […]

3. AVALIAÇÃO GERAL E CONCLUSÃO

O elemento humano é o fator mais importante e fundamental das organizações.

Portanto, a “motivação dos funcionários” e a “liderança” efetiva têm um lugar que não pode ser ignorado em qualquer organização.

Não importa quantos funcionários qualificados uma organização tenha. Ser capaz de avaliar corretamente e aplicar os métodos de motivação certos é muito importante.

Por isso, é necessário que os gestores tenham conhecimento das teorias da liderança e das teorias da motivação. Assim, eles conseguem interagir melhor com os funcionários e os levem a uma liderança e motivação mais eficazes.

Referência(s)

Abdullah Yesil – Liderlik ve Motivasyon Teorilerine Yönelik Kavramsal Bir İnceleme.

Autor: Ronaldo Lundgren

Possui graduação pela Academia Militar das Agulhas Negras; é Mestre em Estudos Estratégicos pelo US Army War College; e Doutor em Ciências Militares pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército.

Deixe uma resposta