Liderança e a Teoria dos Jogos

Share

Liderança e a Teoria dos Jogos

liderança e a teoria dos jogos

 

Imagine por um minuto que você e seu cúmplice roubaram uma bela pintura no valor de um milhão de dólares.

Vocês esconderam o quadro. Mas, logo depois, a polícia os levou para interrogatório, e os coloca em salas separadas, sem poder falar um com o outro.

As autoridades estão confiantes. Então, oferecem um acordo a cada um de vocês.

Se você entregar o seu cúmplice, ficará livre. Você poderia recuperar o milhão de dólares (em vez de dividi-lo).

Seu cúmplice passaria 10 anos na prisão, a menos que ele ou ela o entregasse também. Então vocês dois passariam cinco anos na prisão em vez de 10 por sua cooperação com a polícia.

Se, por outro lado, nenhum de vocês entregar o outro, ambos ficam livres, vendem a pintura e dividem o milhão de dólares!

Dilema do prisioneiro

Essa passagem acima é o dilema do prisioneiro, um elemento básico da teoria dos jogos.

Se você se considera um cara que não é dedo-duro, pode se surpreender que a escolha individual mais racional para ambos seja entregar a outra pessoa!

As implicações parecem realmente sombrias.

Como poderia ser, considerando que se vocês dois entregarem um ao outro, passarem cinco anos juntos na cadeia?

Denunciar o seu parceiro lhe trará o melhor resultado, não importa o que a outra pessoa escolha fazer.

liderança e a teoria dos jogos

Se o seu companheiro não te entregar, você fica livre e ganha um milhão de dólares. Se ele ou ela te entregar, você se salvou da metade da prisão iminente (cinco anos de prisão).

A teoria dos jogos fornece uma maneira de conceituar como as pessoas racionais navegam nas decisões pessoais e de grupo em situações competitivas.

Essa teoria ajuda a planejar suas ações com base no que você prevê que outros jogadores racionais decidirão fazer.

O dilema do prisioneiro poderia descrever duas empresas tentando decidir se devem trabalhar juntas ou reduzir os preços uma da outra. Ou retratar colegas de trabalho decidindo se devem cooperar em equipe ou competir por reconhecimento pessoal.

O tema importante aqui é que

quando as pessoas tomam a decisão individualista racional, geralmente resulta na perda da melhor opção para o grupo.

É por isso que muitos pensam que não vale a pena…

  • uma empresa sofrer perdas significativas para produzir menos gases de efeito estufa se todos as outras ignorarem o aquecimento global.
  • você catar lixo no caminho quando todas as outras pessoas jogam seu lixo fora.
  • assumir a culpa por uma má decisão se ninguém mais assumir seus erros.

Espero que você esteja começando a ver como isso é um problema de liderança.

Liderança

“Primeiro, devemos reconhecer que a resolução de problemas causados ​​pela teoria dos jogos recai sobre o líder. Se esperamos que as pessoas sejam racionais, esperamos que elas escolham a decisão mais racional para si mesmas, a menos que mudemos o jogo ou mudemos a cultura.”

Então, o que podemos fazer como líderes?

liderança e a teoria dos jogosUm exemplo que os autores Brian Christian e Tom Griffiths usam em Algorithms to Live By é a prática de incentivar os funcionários a tirar férias.

Algumas empresas decidiram adotar férias ilimitadas (não apenas 30 dias). Elas achavam que, com mais tempo livre, os funcionários teriam uma vida equilibrada, tornando-se mais produtivos no trabalho.

O problema é que os funcionários queriam tirar o máximo de férias possível porém, um pouco menor do que seus colegas de trabalho. Assim, eles conseguiam o máximo tempo de folga, evitando parecer um preguiçoso ou receber relatórios de desempenho insatisfatório.

Essa lógica leva a um resultado final de folga zero para todos!

Então, quais opções você tem?

Mude o jogo!

Christian e Griffiths apontam que, se os funcionários tivessem um chefe que adotasse uma política clara de punir severamente as pessoas que denunciavam as outras, eles poderiam fazer a melhor escolha para o grupo.

Eles podiam confiar um no outro para ficar em silêncio e, eventualmente, dividir o milhão de dólares.

Muitas vezes os líderes querem “dourar a  pílula”, mas fazer a pintura roubada valer mais dinheiro não mudaria a melhor decisão racional.

Oferecer dinheiro extra para as pessoas tirarem férias não diminuiria o medo de parecer um preguiçoso.

Em vez disso, os líderes precisam mudar o jogo para fazer a decisão racional original parecer pior. Veja esses exemplos:

  • Imposto sobre as emissões de CO2 o suficiente, e as empresas vão entrar na linha.
  • Faça com que os funcionários paguem o dinheiro de volta por férias não utilizadas, e menos pessoas se preocuparão com sua reputação – seria irracional perder dinheiro por não seguir a política de férias.

Mude a cultura!

Espero que você esteja pensando:

“Ok, mas não quero piorar a vida de todos até que eles comecem a fazer o que é melhor para a equipe!”

Se mudar o jogo ou tornar a primeira opção menos atraente não fizer sentido no seu caso, considere mudar sua cultura.

Uma coisa que a filosofia e a religião deram à humanidade é a confiança compartilhada de que uma pessoa “boa” se comportará de certas maneiras para um benefício maior.

Ajudamos os outros com nosso tempo ou dinheiro porque todos querem viver em uma sociedade que se preocupa em cuidar das pessoas ao seu redor.

Pense nas normas das equipes ou organizações que você lidera.

  • Você criou confiança entre os membros de sua equipe para que eles ajam no melhor interesse de todos, mesmo em situações competitivas?
  • Você fez da gentileza uma norma, permitindo que as pessoas esperem apoio em vez de decisões individualistas?

Considerações finais

Contrate, oriente e promova as pessoas que incorporam a cultura que você deseja e, eventualmente, surgirão normas que priorizam o bem de sua equipe em vez do indivíduo.

Os líderes devem estar cientes da teoria dos jogos e das decisões individuais mais racionais que seu pessoal pode tomar.

Evitamos examinar o lado egoísta de nós mesmos e de nosso pessoal em nome de fomentar a competição ou evitar desconforto, mas os líderes precisam abordar a teoria dos jogos para criar grandes organizações.

Prepare sua consciência para situações com recursos limitados.

Quando você vir situações surgirem com um resultado abaixo do ideal se todos tomarem decisões individualistas, mude o jogo, ou seja, torne a decisão egoísta menos atraente ou comece a reformular sua cultura!

Referência(s)

Cairn Leadership

Autor: Ronaldo Lundgren

Possui graduação pela Academia Militar das Agulhas Negras; é Mestre em Estudos Estratégicos pelo US Army War College; e Doutor em Ciências Militares pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército.

Deixe uma resposta