Adaptando-se ao Novo Normal: Tendências de Liderança e Equilíbrio Pós-Pandemia

Share

A pandemia da Covid-19 trouxe mudanças significativas para o mundo, incluindo no ambiente de trabalho.

Uma das tendências observadas no mundo pós-pandemia é a busca por um equilíbrio entre vida pessoal e profissional. Com o trabalho remoto, muitas pessoas passaram a trabalhar em casa e, consequentemente, a ter mais tempo para a família e para si mesmas.

Essa mudança de rotina fez com que muitas empresas passassem a valorizar mais a qualidade de vida de seus colaboradores, o que pode ser benéfico tanto para a empresa quanto para os funcionários.

Outra tendência observada é a valorização do essencial em detrimento do supérfluo. Com a crise mundial, muitas pessoas passaram a repensar seus valores e a valorizar mais o que é realmente importante.

A sustentabilidade também está mais em pauta do que nunca, com a busca por produtos que não agridem o meio ambiente e a implementação de hortas caseiras.

Além disso, a crescente importância da sustentabilidade também é uma tendência observada no mundo pós-pandemia. A busca por um mundo mais sustentável tem sido cada vez mais valorizada, e muitas empresas têm adotado práticas mais sustentáveis em suas operações.

Essas tendências têm impactado a liderança corporativa, que tem buscado se adaptar a esse novo cenário. A empatia, a mentalidade de crescimento e a liderança “servidora” são algumas das tendências para a liderança corporativa.

A liderança híbrida, que combina o trabalho presencial e remoto, também tem se mostrado uma tendência significativa.

Em resumo, a pandemia da Covid-19 trouxe mudanças significativas para o mundo, incluindo no ambiente de trabalho. A busca por um equilíbrio entre vida pessoal e profissional, a valorização do essencial em detrimento do supérfluo e a crescente importância da sustentabilidade são algumas das tendências observadas no mundo pós-pandemia.

A liderança corporativa tem buscado se adaptar a esse novo cenário, valorizando a empatia, a mentalidade de crescimento e a liderança “servidora”.

Por Ronaldo Lundgren

Possui graduação pela Academia Militar das Agulhas Negras; é Mestre em Estudos Estratégicos pelo US Army War College; e Doutor em Ciências Militares pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército.

Deixe uma resposta