5 livros para seu crescimento profissional

Share

por Ronaldo Lundgren.

Livros

Todos sabemos que a leitura é uma importante ferramenta para o nosso crescimento pessoal e profissional. De maneira geral, qualquer leitura é válida. No entanto, a falta de hábito, o pouco tempo e o excesso de informações tornam difícil filtrar as várias opções. Uma boa dica ajuda a concentrarmos nossos esforços em livros que nos tornem melhores.

O coach José Roberto Marques entende que o crescimento profissional está diretamente ligado a sua atitude em buscar ampliar seus conhecimentos, agregar novas capacidades e habilidades, acompanhando sempre as mudanças e necessidades do momento. A leitura é uma forma de expandir seu repertório intelectual com informações de qualidade, aprofundadas, bem embasadas, com fácil acesso e pouco investimento. Perceba, portanto, que as barreiras são autoimpostas e evoluir é uma questão de querer!

Indicações de Leitura

Confira abaixo a indicação de 5 livros para seu crescimento profissional:

1.    Raízes do Brasil

Raízes do Brasil, de Sérgio Buarque de Holanda, publicado em 1936, é uma interpretação original da decomposição da sociedade tradicional brasileira e da emergência de novas estruturas políticas e econômicas. Uma visão inovadora que introduziu os conceitos de patrimonialismo e burocracia, explicando os novos tempos.

Na obra, Sérgio Buarque buscou na história colonial as origens dos problemas nacionais. Como veremos adiante, descreveu o brasileiro como um “homem cordial”. Isto é, que age pelo coração e pelo sentimento, preferindo as relações pessoais ao cumprimento de leis objetivas e imparciais.

O Brasil Colônia é visto por Sérgio Buarque como tendo pouca organização social, daí o recurso freqüente à violência e ao domínio personalista. A escravidão desvalorizou o trabalho e favoreceu aventureiros que desejavam “prosperidade sem custo” – traços que se refletiam até no cultivo da terra, por métodos predatórios semelhantes aos da mineração.

2.    Os Sertões

Considerada uma das obras-primas da literatura brasileira. Os Sertões, publicado em 1902, cinco anos após a campanha de Canudos, cujo trágico desfecho Euclides da Cunha testemunhou como repórter de O Estado de São Paulo, apresenta um completo relato da Campanha de Canudos.

A Guerra de Canudos foi a luta sangrenta contra os fanáticos chefiados por Antônio Conselheiro, os quais ameaçavam a segurança das cidades e povoações vizinhas.

A obra apresenta ainda um admirável estudo da terra e do homem do sertão nordestino, das condições de vida do sertanejo, da sua resistência e capacidade, de acordo com a visão de Euclides da Cunha. Ele foi o único jornalista que atentou para a valentia dos jagunços.

3.    A Arte da Guerra

A Arte da Guerra é um tratado militar escrito durante o século IV a.C. pelo estrategista conhecido como Sun Tzu. Descrito como “um trabalho ponderado e compreensivo, pleno de capacidade de percepção e imaginação”. O livro trata da necessidade de se guerrear pelo menos tempo possível, perdendo menos gente e conquistando pela inteligência.

O autor acreditava que um estrategista hábil poderia “submeter o adversário sem o confrontar. Tomar-lhe as cidades sem as cercar. E derrubar-lhe o Estado sem se ensoparem espadas em sangue”.

Buscava a conquista da coisa intacta, ou o máximo possível intacta. Abominava a destruição desnecessária, o dispêndio de energia à toa, a perda de vidas necessárias à agricultura.

4.    Os 7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes

Considerado um dos livros mais influentes do século XX no mundo dos negócios. Está completando 15 milhões de exemplares em todo o mundo e ocupou as listas de mais vendidos durante oito anos consecutivos.

O autor, Stephen R. Covey, acredita que vencer ou fracassar é resultado de sete hábitos. São eles que distinguem as pessoas felizes, saudáveis e bem-sucedidas das fracassadas ou daquelas que sacrificam o equilíbrio interior e a felicidade para alcançar o êxito.

5.    Júlio César

A tragédia shakespeariana Júlio César, escrita entre 1598 e 1599, é a primeira do autor a tratar da história romana. Nessa peça em cinco atos, é retratada a queda de Júlio César. O complô contra ele, o seu assassinato, a traição de Brútus e a fúria indignada de Marco Antônio, seu fiel seguidor, que protagoniza em Júlio César um dos mais célebres monólogos da história do teatro.

O texto trata de grandes homens – César, Marco Antônio, Cássio, Brútus, Otávio. Trata também, da cobiça pelo poder, da natureza psicológica do forte e do fraco, da traição e da lealdade e das ironias da História.


(*) Foram utilizados dados de Passei Web, da L&PM Editores e do Instituto Brasileiro de Coaching.

Autor: Ronaldo Lundgren

Possui graduação pela Academia Militar das Agulhas Negras; é Mestre em Estudos Estratégicos pelo US Army War College; e Doutor em Ciências Militares pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército.

Deixe uma resposta