Trabalho em equipe não é só pra chão de fábrica

Share

por Ronaldo Lundgren.

Trabalho em equipe não é só pra chão de fábrica

 

Quero lhe fazer um convite. Você topa escrever num papel 3 acontecimentos que lhe marcaram na semana passada? Podem ter acontecido na sua cidade, no estado, no país ou no mundo. Apenas três…

Este exercício pretende nos lembrar de como as coisas estão passando rápido. Como são imprevisíveis. Estar ciente dessa rapidez exige um esforço pessoal. Precisamos, de vez em quando, “sair da pelagem do coelho”, como ensina Jostein Gaarder no livro O Mundo de Sofia.

Para Marco Antonio Alves Pereira, um dos autores do trabalho Evolução e mudanças organizacionais: a importância do trabalho em equipe, “Estão sendo libertadas forças sociais totalmente novas e a corrente de mudanças é tão acelerada que influencia o sentido de tempo, revoluciona o ritmo de vida cotidiana e afeta até o modo de como o mundo é percebido”.

Na atual era de grande desenvolvimento tecnológico, emerge a competição, que exerce forte influência nas empresas: a chamada globalização, avassaladora, pode derrubar os desinformados. Não se vive mais em um mundo estável e previsível.

Desde o topo da organização

Nos tempos em que o mundo girava devagar, as organizações apenas precisavam de um bom executivo. Ele tocava tudo: planejamento, orçamento, fiscalização, recursos humanos, comunicação, etc.

O mundo mudou. As pessoas mudaram. As leis e normas mudam constantemente. Novas tecnologias surgem a todo momento. O indivíduo tem mais poder – consegue se fazer ouvir até pelos governantes de países poderosos. As mudanças se dão em, praticamente, todas as áreas. Umas contrariando outras. O que exige um conhecimento multidisciplinar para se chegar a uma decisão coerente.

Para acompanhar este ritmo de mudanças e preservar sua permanência e participação no mercado, as empresas estão tendo sua estrutura modificada: informação, carreira e incentivos de desempenho que antes eram verticais, funcionais e hierárquicos, agora passam a ter sua hierarquia mais achatada, horizontal e com menos níveis, empregando o trabalho em equipes dedicadas a produtos, projetos e clientes.

Trabalho em equipe – é necessário demais

Com isso, cada vez mais se torna necessário o trabalho em equipe. Falta tempo para o executivo, mesmo aquele super talentoso, acompanhar o que se passa ao redor. O mercado passou a buscar profissionais cujas características pessoais incluam a facilidade de integração social e estejam aptas a exercer atividades em grupo e a trabalhar em equipe.

Trabalho em equipe é o tipo de atividade avessa a ego inflado. Trabalho em equipe é quando um grupo ou uma sociedade resolve criar um esforço coletivo para resolver um problema. Por isso não funciona com aquelas pessoas tipo cobra, que faz fofocas e que não é confiável.

Está sendo abandonada a ênfase na competição individual e está se privilegiando a cooperação, pois neste mundo em ebulição, o trabalho é temporário ou fora da rotina.

Parte do trabalho da organização é feito com forças-tarefas e equipes orientadas para um determinado projeto. A liderança da organização deve estar preparada para participar de grupos de trabalho. Com sua presença, os integrantes do grupo repassarão para os demais colaboradores o senso de importância do assunto tratado.

Grupo x Equipe

Vale ressaltar a observação de Marco Antonio: “um grupo em uma organização não necessariamente é uma equipe. Para que um grupo se torne uma equipe, é preciso que haja coesão, participação e, principalmente, cooperação entre seus membros”.

Equipes são grupos de pessoas formados para criar sinergia, para aumentar a aplicação coordenada de conhecimento especializado, a fim de que o desempenho do todo seja maior do que a soma de suas partes.

Considerações finais

A necessidade do trabalho em equipe tende a aumentar. Comportamentos individualistas – do tipo: Eu, Eu, Eu – são cada vez mais substituídos pela cooperação.

Para que a equipe entregue resultados, é necessário haver liderança. Que pode ser indicada em função de um cargo ou adquirida entre os pares. O alto escalão da organização também deve participar desses trabalhos. Sua presença vai contribuir para o comprometimento dos funcionários.

E você, o que pensa sobre trabalho em equipe. Deixe seu comentário. Compartilhe.

Autor: Ronaldo Lundgren

Possui graduação pela Academia Militar das Agulhas Negras; é Mestre em Estudos Estratégicos pelo US Army War College; e Doutor em Ciências Militares pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército.

Deixe uma resposta