Liderança Compartilhada em Equipes de Trabalho

Share

Liderança Compartilhada em Equipes de Trabalho

liderança compartilhada

O paradigma dominante para descrever a liderança da equipe tem sido uma perspectiva centrada no líder, que enfatiza os comportamentos e as características pessoais dos líderes individuais (Bass, 1990).

No entanto, estão surgindo novos modelos de liderança centrados em seguidores que desafiam essa visão (Meindl, 1990; Pastor, Meindl e Mayo, 2001).

A perspectiva de liderança compartilhada contribui para essa nova tendência, oferecendo uma alternativa à perspectiva tradicional de liderança vertical.

Enquanto os modelos verticais de liderança consideram a liderança como emanando apenas do líder, a abordagem de liderança compartilhada considera o papel da influência mútua entre os membros da equipe como outra fonte de liderança para o grupo (Pearce e Sims 2001b; Perry, Pearce e Sims, 1999 ).

Os primeiros estudos de liderança compartilhada mostram que as dimensões tradicionais da liderança vertical também se aplicam a modelos de liderança compartilhada.

Alguns problemas são levantados em relação às propriedades gerais da equipe, como, por exemplo:

  • como as funções de liderança são distribuídas na equipe?
  • eles são distribuídos igualmente entre todos os membros do grupo?
  • podemos identificar subgrupos da equipe especializados em funções específicas de liderança?

Essa mudança na conceitualização da liderança de uma única pessoa para um modelo de equipe exige novos conceitos e métodos para capturar a natureza e a estrutura da liderança compartilhada no nível das equipes como um todo.

Yukl (1998) afirma que

“visualizar a liderança em termos de processos de influência recíproca e recursiva entre várias partes em um contexto de sistemas é muito diferente de estudar os efeitos unidirecionais de um único líder nos subordinados”.

Conceito de liderança compartilhada

É um processo de influência mútua, simultânea e contínua que ocorre dentro de uma equipe. Caracteriza-se pela emergência em série de líderes formais e informais (PEARCE, 2004).

Para Pearce e Conger (Shared Leadership, 2003), a liderança compartilhada é

um processo de influência dinâmica interativa entre os indivíduos em grupos para os quais o objetivo é levar o outro para a realização de objetivos do grupo, ou da organização, ou de ambos.

Esse processo envolve muitas vezes influência entre os pares (lateral) e em outras vezes envolve influência hierárquica ascendente ou descendente (BOLDEN, 2011).

Ensley et al. (2006) conceituam liderança compartilhada em comparação com a liderança vertical, em que esta é exercida por um líder nomeado e formal, e aquela é uma forma de liderança distribuída que se origina dentro de uma equipe.

A liderança vertical pode ser vista como uma influência sobre os processos da equipe.

Em contraste, a liderança compartilhada é um processo de equipe, onde a liderança é realizada pela equipe como um todo, e não apenas por um único indivíduo designado.

A liderança vertical é dependente da sabedoria de um líder individual. A liderança compartilhada se desdobra a partir do conhecimento de um coletivo (ENSLEY et al., 2006).

Difere de trabalho em equipe porque a liderança compartilhada busca a distribuição de influência e responsabilidade entre os membros, enquanto o trabalho em equipe se refere a um conjunto de ações orientadas de forma cooperativa.

Liderança vertical x Liderança compartilhada

  • Qual é a relação entre liderança vertical e compartilhada?
  • A liderança vertical e compartilhada substitui uma à outra?
  • Elas são complementares?
  • Ou são sistemas redundantes?
  • Como as várias formas de liderança vertical afetam o surgimento e o desenvolvimento de liderança compartilhada entre os membros da equipe

Algum grau de liderança vertical em combinação com liderança compartilhada pode ser fundamental para a eficácia das equipes de projeto que trabalham apenas por um tempo limitado para produzir resultados únicos.

Por um lado, as equipes de projeto geralmente trabalham em tarefas novas e complexas que exigem uma contribuição intensa de especialistas que muitas vezes são novos na equipe.

Consequentemente, um fator chave na eficácia das equipes de projeto é a capacidade dos membros de se familiarizarem rapidamente com a tarefa em questão e entre si.

Assim, um certo grau de liderança vertical pode ser muito eficaz para iniciar a equipe.

As equipes do projeto precisam de orientações e prazos claros. Caso contrário, correm o risco de gastar muito tempo socializando ou discutindo sobre questões sem importância (Hackman, 1990). É importante, então, que o objetivo geral da equipe seja claro desde o início.

Por outro lado, a liderança compartilhada pode ser muito eficaz para essas equipes, na tentativa de integração social e familiaridade.

Aumentar as interações entre os membros da equipe fornecerá mais informações sobre a tarefa e sobre as áreas de especialização dos membros da equipe.

Além disso, a liderança compartilhada pode ser uma maneira de aumentar a legitimidade do processo de tomada de decisão, aumentando a participação de todos os membros da equipe.

Outras considerações

Tradicionalmente, as organizações têm investido em um modelo heroico de líder, a fim de extrair resultados de seus empregados de forma individual (HOCK & DULEBOHN, 2013).

Porém, torna-se cada vez mais difícil para qualquer pessoa ser um especialista em todos os aspectos do trabalho que precisa ser feito.

Esta complexidade coloca em destaque o trabalho em equipe. Principalmente, quando exige que a criatividade não seja exclusividade de uma só pessoa.

Neste contexto, sugere-se a adoção de um estilo de liderança difuso, em que a liderança possui uma abordagem em nível de grupo, ao invés de categoria individual (PEARCE & SIMS, 2002).

Este é o caso da liderança compartilhada, onde todos os membros da equipe estão totalmente engajados na liderança do grupo. Que implica no processo de influência mútua dentro da equipe, cujo membro leva o outro em direção ao cumprimento de objetivos (SIVASUBRAMARIUM, MURRY, AVOLIO & JUNG, 2002).

Por meio dessa liderança, as organizações criariam mais oportunidades de obter uma vantagem competitiva no mercado através da adequada realização de tarefas complexas, com abertura à influência recíproca dos membros da equipe e o compartilhamento das informações (CARSON et al., 2007).

Referência(s)

Juan Carlos Pastor e Margarita Mayo: Shared Leadership In Work Teams: A Social Network Approach

Helen Fischer Günther; Cristiano José Castro de Almeida Cunha; Murialdo Loch; Rudolf Fischer Günther. DISTINÇÕES ENTRE LIDERANÇA COMPARTILHADA E DISTRIBUÍDA.

Leandro Maia Gonçalves – Liderança compartilhada: superando a complexidade e criando inovação.

Autor: Ronaldo Lundgren

Possui graduação pela Academia Militar das Agulhas Negras; é Mestre em Estudos Estratégicos pelo US Army War College; e Doutor em Ciências Militares pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército.

Deixe uma resposta