Gratidão e felicidade, e por que isso é importante para os líderes

Share

Gratidão e felicidade, e por que isso é importante para os líderes

gratidão e felicidade

Por MICHELLE GIBBINGS.

Há uma história famosa de nativos americanos, que é assim …

Uma noite, um velho Cherokee diz ao neto que dentro de todas as pessoas, há uma batalha entre dois lobos. Um lobo é a negatividade: raiva, tristeza, estresse, desprezo, nojo, medo, vergonha, culpa, vergonha e ódio.
O outro é positividade: alegria, gratidão, serenidade, esperança, orgulho, diversão, inspiração, admiração e amor.

O neto pensa por um momento e pergunta ao avô: “Qual lobo vence?”
O avô responde: “Aquele que você alimenta”.

Portanto, como líder, a questão a ser ponderada é: “Qual lobo você está alimentando?

Ser um líder é um desafio. Existe uma pressão constante para ter um bom desempenho em um ambiente que muda constantemente.

Você não pode controlar o que acontece com você todos os dias. Mas você pode escolher como responder ao que acontece com você, sendo claro sobre como você pensa, onde concentra sua atenção e em que presta atenção.

Você pode se concentrar no lado positivo ou negativo.

Não se trata de ignorar o que está acontecendo ao seu redor. Em vez disso, trata-se de escolher conscientemente seu quadro de referência.

Aristóteles disse:

“A felicidade é o sentido e o propósito da vida, todo o objetivo e fim da existência humana”.

Todos nós temos um ponto definido para a felicidade.

Pense nisso como uma balança. Assim como todo mundo pesa uma certa quantia, toda pessoa tem um nível de felicidade em que normalmente opera.

Esse ponto de ajuste permanece relativamente constante.

Existem coisas que irão ajustá-lo temporariamente. Por exemplo, um novo emprego, ganhar na loteria ou comprar um carro zero km deixam a pessoa temporariamente mais feliz.

Infelizmente, esses são apenas ativadores de curto prazo. Eles não duram.

Felicidade Requer Esforço

Na sociedade de hoje, as pessoas consideram dinheiro e sucesso como felicidade. Isso é uma falácia.

Na verdade, 90% da felicidade é baseada em sua visão mental interna do mundo e como seu cérebro processa o que está acontecendo ao seu redor.

A pesquisa mostra que

  • a genética é responsável por cerca de 50% de sua cota de felicidade (ou seja, seu cenário de felicidade no nascimento, predisposição e traços de personalidade);
  • 10% é devido às circunstâncias; e
  • os 40% restantes para variantes que você pode determinar; isto é, atividade intencional que você realiza.

Nesta pesquisa, os pesquisadores (Sonja Lyubomirsky, Kennon M. Sheldon e David Schkade) definiram “intencional” de modo a significar ações ou práticas discretas nas quais as pessoas optam por se envolver. Essas são atividades que requerem algum tipo de esforço.

Agora você pode estar sentado e pensando que é realmente interessante, mas por que eu deveria me importar? Você deve se preocupar porque o quão feliz você é afeta sua vida e a probabilidade de sucesso.

Em pesquisas posteriores, Lyubomirsky, Laura King e Diener examinaram se a felicidade leva ao sucesso e os fatores causais.

Eles argumentaram que o vínculo felicidade-sucesso existe não apenas porque o sucesso torna as pessoas felizes, mas, o que é mais importante, porque ter uma disposição positiva gera sucesso.

Seus resultados mostraram que a felicidade está associada e precede resultados bem-sucedidos.

Eles também revisaram dados que mostraram que indivíduos felizes têm mais probabilidade do que pessoas menos felizes de ter casamentos e relacionamentos satisfatórios, alta renda, desempenho profissional superior, envolvimento comunitário, saúde robusta e uma vida longa.

Felicidade leva ao sucesso

Em resumo, quanto mais feliz você for, maior será a probabilidade de ter sucesso.

Eles descobriram que a felicidade tem um efeito combinado, porque a felicidade – que tem suas origens na personalidade e nos sucessos anteriores – leva a comportamentos que, por sua vez, levam ao sucesso futuro.

Quando você está com pessoas felizes, elas o edificam, não o arrastam para baixo. Sua felicidade geralmente é contagiante.

Você pode optar por implementar práticas para se tornar mais feliz. É como uma planta. Para que prospere, ela precisa ser nutrida, regada e cuidada. O mesmo ocorre com o seu quociente de felicidade.

Dicas para o sucesso

Se você deseja mudar seu cenário de felicidade, é aconselhável tomar uma atitude deliberada e planejada.

Considere incluir atividades como estas em seu dia:

1) Elabore um mantra de gratidão que você diga todos os dias.

Expressar gratidão ajuda você a se sentir mais feliz e aumenta sua resiliência. Quando você olha para o que tem em relação aos outros, pode ver o quanto deve ser grato.

2) Como parte desta prática, concentre-se em uma a três coisas pelas quais agradecer todos os dias.

Isso pode ser tão simples como “o sol estava brilhando” ou “tomei uma ótima xícara de café”. Compre um diário e leve-o consigo. Escreva essas experiências positivas em seu diário.

Faça isso diariamente.

Anotar suas experiências ajuda seu cérebro a reviver o evento e, assim, você obtém os produtos químicos de bem-estar do cérebro liberados em sua corrente sanguínea.

3) Passe algum tempo se conectando com a natureza.

Aprecie a graça e a beleza do que está ao seu redor todos os dias no ambiente natural. Aproveite o tempo para fazer uma pausa. Olhe a sua volta. O que você percebe? Conecte seus sentimentos com seu ambiente.

4) Exercite-se e medite regularmente.

Crie uma rotina para que essas atividades sejam mapeadas com antecedência e agendadas no seu calendário. O exercício e a meditação são tão importantes quanto comer e dormir.

5) Dormir oito horas por noite.

O sono é restaurador e seu cérebro não pode funcionar sem ele. É difícil estar focado, atento e reflexivo quando você está cansado.

6) Alimente-se bem e beba muita água para se manter hidratado.

7) Faça coisas boas para outras pessoas.

Quando você faz algo bom para outra pessoa, você se sente bem. Ajudar os outros ajuda você a perceber as forças positivas em sua vida que outras pessoas podem não ter.

8) Desejar o melhor às pessoas

Se você estiver em um ambiente movimentado, pare um pouco e observe as pessoas ao seu redor. Cultive internamente o desejo de que eles sejam felizes, saudáveis ​​e livres de sofrimento.

Desejar o bem dos outros é bom para o seu próprio estado emocional.

9) Dedique tempo a relacionamentos importantes todos os dias.

Isso vai além de manter conexões nas redes sociais. Chamar pessoas. Tome um café com elas. Envie a alguém uma nota escrita à mão. A conexão precisa ser pessoal.

Laços estreitos e estar à vontade para compartilhar como você se sente, e ser aberto sobre as experiências é saudável e muito bom para a alma. Pessoas felizes têm fortes conexões com a comunidade e bons amigos.

10) Aceite-se e ame-se por suas falhas.

Ninguém é perfeito. Todo mundo ainda está aprendendo e evoluindo. Para fazer isso, você precisa estar aberto para aprender e cometer erros.

11) Esforce-se para encontrar um propósito e significado em sua vida

Pessoas com propósito geralmente são mais felizes e resistentes, pois têm clareza sobre seus objetivos e para onde estão indo na vida.

Estabeleça metas de curto, médio e longo prazo – cada uma com a quantidade certa de esforço e habilidade.

Referência(s)

MICHELLE GIBBINGS – Gratitude and Happiness, and Why it Matters for Leaders

A ciência das palestras

Share

A ciência das palestras

ciência da palestra

Resumo. A capacidade de entregar uma palestra energizante é um pré-requisito para qualquer líder de negócios. Mas poucos gerentes recebem treinamento formal em como fazer uma boa palestra. Em vez disso, eles aprendem principalmente pela "imitação" de chefes inspiradores, treinadores ou até personagens fictícios.

por Daniel McGinn.

Erica Galos Alioto fica em frente a 650 representantes de vendas no escritório de Yelp de Nova York, a empresa de revisão online, usando um par de calças de ouro brilhantes que ela chama de suas calças da sorte.

Para Alioto, vice-presidente sênior das vendas locais, significa fazer um discurso que motive sua força de vendas para, cada um, contactar 70 clientes potenciais até o final do mês.

Ela fala por 20 minutos, exaltando o grupo para ser o maior produtor de vendas do Yelp. Ela destaca os melhores da equipe e sugere maneiras de todos adotarem a mesma mentalidade. Ela conta histórias, faz perguntas.

“Nosso escritório está mais de US $ 1,5 milhão longe do alvo este mês… Nós temos um plano de ação aqui. Vamos executá-lo? Há aplausos moderados. Ela pergunta novamente, em uma voz mais alta: “Vamos executá-lo?” Grande aplauso.

A maioria das fórmulas vencedoras inclui direção, empatia e significado.

Alioto trabalhou duro para aperfeiçoar esses discursos porque ela sabe que seu sucesso depende deles. De fato, a capacidade de fornecer uma palestra energética, que estimula os funcionários para melhorar o desempenho é um pré-requisito para qualquer líder de negócios.

E, no entanto, poucos gerentes recebem treinamento formal em como fazer isso.

Normalmente, eles aprendem principalmente da imitação – emulando os chefes inspiradores, treinadores que tinham na escola, ou mesmo personagens de filmes como o lobo de Wall Street.

Algumas pessoas se apoiam em treinadores executivos para ajudá-las. Mas, muitas vezes o conselho repousa sobre a experiência pessoal dos treinadores.

Há, no entanto, uma ciência para motivar as pessoas.

De acordo com a ciência, a maioria das fórmulas vencedoras inclui três elementos-chave:

  • direção;
  • expressões de empatia; e
  • significado.

Teoria da linguagem motivadora

A pesquisa mais ampla da Teoria da Linguagem Motivadora (MLT) – vem de Jacqueline e Milton Mayfield, equipe de marido e esposa na Universidade Internacional da Texas, que estudaram suas aplicações no mundo corporativo por quase três décadas.

Suas descobertas são apoiadas por estudos de psicólogos esportivos e historiadores militares. E todas as evidências sugerem que uma vez que os líderes entendam esses três elementos, eles podem aprender a usá-los mais habilmente.

Três elementos cuidadosamente equilibrados

Os Mayfields descrevem a direção dando como o uso de “linguagem reduzida à incerteza”. É quando os líderes fornecem informações com precisão como fazer a tarefa, por exemplo, dando instruções facilmente compreensíveis, boas definições de tarefas e detalhes sobre como o desempenho será avaliado.

“Linguagem empática” mostra preocupação com o ser humano. Pode incluir louvor, encorajamento, gratidão e reconhecimento da dificuldade de uma tarefa. Frases como “Como estamos indo?” “Eu sei que isso é um desafio, mas confio que você pode fazer”, e “seu bem-estar é uma das minhas principais prioridades” tudo se encaixam nessa categoria.

“Linguagem de significado” explica por que uma tarefa é importante. Isso envolve vincular o propósito ou a missão da organização aos objetivos dos ouvintes. Muitas vezes, a linguagem inclui o uso de histórias – sobre pessoas que trabalharam duro ou tiveram sucesso na empresa, ou sobre como o trabalho fez uma diferença real na vida dos clientes ou na comunidade.

Uma boa conversa – seja com uma pessoa ou muitas – deve incluir todos os três elementos. Mas a mistura certa dependerá do contexto e do público.

Trabalhadores experientes que estão realizando uma tarefa já conhecida não precisam de muita direção. Os liderados, que já estão ligados a um líder, podem exigir menos linguagem empática. A explicação do significado é útil na maioria das situações, mas pode precisar de menos ênfase se os objetivos finais do trabalho são óbvios.

Considerações finais

É impossível dizer o quanto seus comentários matinais e palestras para sua equipe influenciaram esses resultados, mas Alioto sentiu que o dia foi bem sucedido.

“Meu discurso não era nada inovador, mas ajudou-os a pensar em onde estão e o que são capazes de fazer de maneira diferente”, diz ela. “Eu tento fazer todo mundo entender que eles têm o poder de controlar seu dia.”

Referência(s)

Uma versão deste artigo apareceu na edição de julho-agosto de 2017 (pp.133-137) da revisão de negócios de Harvard.

Daniel McGinn – The Science of Pep Talks.

O desafio do livre arbítrio [liderança é impactada]

Share

O desafio do livre arbítrio

O desafio do livre arbítrio
Quão livres são líderes para mudar e se adaptar às organizações?

por Pierre Casse and Sergey Gorbatjov.

O que é livre arbítrio?

Esta questão já existe desde o início dos tempos e não pretendemos dar uma resposta clara e direta. No entanto, gostaríamos de destacar algumas das implicações de liderança e desafiá-lo com algumas ideias contraditórias.

Para começar, podemos ver três grandes preocupações que os líderes devem ter em relação à questão levantada:

  • Os líderes já nascem pré-determinados, com suas trajetórias definidas?
  • Eles podem mudar?
  • Os líderes devem abordar suas fraquezas ou não?

Este artigo destina-se a ser controverso no sentido de que ambos os autores apresentarão diferentes visões em resposta a essas três questões. Cabe ao leitor decidir qual das duas visões é mais precisas, ou alternativamente, venha com sua própria visão.

O principal objetivo é incentivar os líderes a refletir sobre a seguinte questão:

Quão livres são líderes e essas pessoas com quem estão trabalhando, para mudar e se ajustar às expectativas organizacionais?

Nós estamos pré-determinados?

Posição 1

Apesar do fato de que cientistas de várias disciplinas discordam, acredito firmemente que todos os seres humanos são biologicamente e fundamentalmente pré-determinados. O livre arbítrio é uma ilusão que carregamos porque é mais confortável acreditar que sim.

Do ponto de vista de liderança, isso implica que um líder deve conhecer os pontos fortes e fracos básicos das pessoas com quem eles estão trabalhando.

Isso significa que todos nós podemos ser felizes, aproveitar a vida e fazer o  bem, desde que experimentemos um alinhamento entre o que somos e as nossas expectativas de trabalho.

Nosso DNA tem um impacto muito forte sobre o quê e como podemos contribuir em nossas organizações.

Minha pesquisa mostra claramente que grandes artistas são aquelas pessoas que são capazes de encontrar ou criar uma boa relação entre os requisitos do trabalho e suas motivações naturais.

Posição 2

A capacidade de influenciar os outros não faz parte do nosso DNA, mas é o resultado de habilidades adquiridas, conhecimento e atitudes.

A pesquisa sobre a natureza hereditária da liderança é escassa e inconclusiva. Estudos revelam que apenas 30% da ocupação da função de liderança podem ser atribuídos a fatores genéticos.

Uma vez que entendemos este pequeno impacto atribuível ao DNA, é a experiência de trabalho que determina a progressão para os papéis de liderança.

Portanto, estamos no comando de nossa própria liderança. Essa crença é fundamental para o sucesso na carreira. Carol Dweck chama de “mentalidade de crescimento“. As pessoas que acreditam que podem crescer também são melhores líderes organizacionais.

Além disso, não confundimos pré-determinismo com pré-determinação.

Nosso livre arbítrio define quanto tempo e esforço colocamos em nosso próprio desenvolvimento. Não importa onde você começa, você sempre pode melhorar.

O propósito convincente, a motivação e os valores pessoais nos guia em uma direção específica. Eles não estão em nossa corrente sanguínea, mas adquiridos e aprendidos. É nosso cérebro que impulsiona nosso desenvolvimento, não o determinismo.

Podemos mudar?

Posição 1

Sim, podemos, porque nossa pré-determinação é baseada em um intervalo dentro do qual podemos nos transformar.

Podemos construir nossos pontos fortes e nos tornar mais eficazes no que fazemos bem. Para ser pré-determinado não significa que estamos presos e que não podemos desenvolver nossas capacidades.

A arte de ser pode ser descrita como o processo de autodescoberta.

Os líderes devem reavaliar seus sistemas de avaliação de desempenho, porque eles não reconhecem o fator de pré-determinação e são baseados no que queremos que as pessoas sejam e não sobre o que realmente são.

Como líderes, devemos também reconhecer nossos pontos fortes e nos cercar de pessoas que são fortes onde somos fracos. Somos o que somos. Reconhecer isto já é muito, se estivermos preparados para reconhecer e aceitá-lo.

Posição 2

Sim, mudamos o tempo todo, mesmo que não os reconheçamos.

Formamos novas sinapses em nosso cérebro diariamente, com apenas duas horas de aprendizagem dedicada. Podemos mudar a maneira como processamos informações, nossos comportamentos e até hábitos.

Qualquer competência pode ser desenvolvida.

As organizações devem se concentrar na construção das habilidades necessárias para o sucesso dos negócios. O desenvolvimento baseado em força é improcedente e pode fazer mais mal do que bem para o desempenho organizacional.

No contexto de liderança, a principal suposição deve ser que qualquer um pode mudar.

O papel de cada líder é encontrar a motivação certa para o desenvolvimento, de modo a tirar o melhor proveito das pessoas para o bem maior da organização.

A força de vontade e resiliência são os mais fortes preditores do sucesso da transformação pessoal.

Devemos nos concentrar em nossas fraquezas?

Posição 1

Absolutamente não e por várias razões.

Por exemplo, algo que pode ser considerado uma fraqueza hoje pode ser uma força amanhã. Tudo depende da situação com a qual nos deparamos.

Além disso, é mais saudável e muito mais recompensador construir o que fazemos bem e gostamos de fazer. Tornar-nos o que somos é a chave para o sucesso real.

De um ponto de vista de liderança, os líderes devem dar às pessoas a oportunidade de combinar seus drivers dominantes e os requisitos de trabalho.

Dê às pessoas a chance de fazer o que estão morrendo de vontade e o céu é o limite. Grandes líderes são extremamente bons em minimizar as fraquezas e explorando pontos fortes ao máximo.

Posição 2

Sim! Ninguém nunca foi demitido por seus pontos fortes, mas as fraquezas destroem até as carreiras mais bem sucedidas. Sua fraqueza nunca será sua força.

Mas é fundamental que você trabalhe sobre as fraquezas que causam “ruído”. Estas são as suas “bordas ásperas” que são visíveis para os outros e retratam você como líder menos eficaz.

À medida que a carreira avança, deve-se deixar de acompanhar as competências e qualidades que os tornaram bem sucedidos.

Como Marshall Goldsmith disse:

“O que te trouxe até aqui não vai levar você a outros pontos”.

Sua força pode eventualmente se tornar sua fraqueza.

Concentre-se em aprender mais sobre suas fraquezas, em vez de passar tempo para tentar “consertar”.

Conclusões conjuntas

Em resumo, os líderes devem prestar mais atenção ao que eles e os  membros da equipe fazem bem e gostam de fazer.

Talentos naturais existem e podem ser construídos.

As fraquezas também podem fornecer oportunidades de crescimento pessoal. A capacidade de transformar as fraquezas em algo valioso pode provar ser uma grande força de liderança.

Há muito mais espaço para o autodesenvolvimento do que a maioria das pessoas acredita.

Cabe ao líder identificar e ativar o potencial tanto dentro de si como dentro daqueles ao seu redor. Embora a natureza possa ter nos dado uma boa mão de cartas, cabe a cada um de nós decidir sobre a melhor forma de jogar o jogo.

Gostaríamos de concluir com um pedido e uma promessa.

Em primeiro lugar, solicitamos que você tome alguns momentos para refletir sobre sua própria opinião sobre as questões levantadas acima. Talvez você possa oferecer uma perspectiva alternativa. Mais importante, como o seu ponto de vista impõe suas ações cotidianas, escolhas e decisões?

Em segundo lugar, prometemos uma maior autenticidade. Como líder, tendo uma visão clara quanto à natureza do livre arbítrio, será mais fácil comunicar sua filosofia de liderança pessoal, tomar decisões difíceis e ser um desenvolvedor melhor de si e dos outros.

Referência(s)

Pierre Casse e Sergey Gorbatov – The challenge of free will.

Livros que motivam e capacitam [inspiram também]

Share

10 livros que motivam e capacitam e inspiram uma grande liderança

Livros que motivam capacitam e inspiram

Essas ótimas leituras certamente ajudarão a abrir sua mente e seu coração para a possibilidade de sucesso.

Por Angela Roberts.

Uma coisa que concordamos, quando se fala de liderança, é que é vital melhorar, crescer e aprender continuamente.

O cenário de negócios está sempre mudando e evoluindo. Se você não ficar por dentro dele, provavelmente será deixado para trás. Quando não estamos aprendendo, não estamos melhorando.

Já que não temos tempo para sentar com alguns dos maiores líderes do mundo, uma forma de acessar essas grandes mentes é ler sobre elas.

Para se tornar um grande líder, é crucial ler, pesquisar e crescer. Mesmo que você tenha apenas alguns breves momentos antes de pegar a estrada para o trabalho ou começar o jantar para as crianças.

Aqui está uma lista dos dez principais livros que acredito que irão motivar, capacitar e inspirar uma grande liderança. Tanto no trabalho quanto em sua vida doméstica.

Sobre o medo, o fracasso e a tenacidade

O medo, o fracasso e a tenacidade surgem nos negócios (e na vida) continuamente. Aprender a lidar com eles, fazer amizade com eles e trabalhar com eles são as chaves para ser resiliente e ter sucesso.

A coragem de ser imperfeito (Daring Greatly), de Brené Brown

Daring Greatly tem tudo a ver com correr riscos no mundo moderno. Ser vulnerável faz parte da experiência. Mas, como Brown argumenta, a vulnerabilidade é onde reside nossa maior força.

Um livro inspirador e bem escrito, Daring Greatly incentiva a tomada de risco como um caminho para viver nossas melhores vidas e oferece ferramentas para inspirar esse mesmo tipo de risco em outras pessoas.

A coragem pode levar a grandes coisas em nossa vida pessoal e profissional.

A garra (Grit), de Angela Duckworth

Embora a inteligência seja um ingrediente necessário para o sucesso, não é o único.

Angela Duckworth é uma pesquisadora que passou sua juventude ouvindo de seus pais o quanto lhe faltava de genialidade. Com o tempo, ela descobriu que seu sucesso veio de muito mais coisas do que apenas habilidade com livros.

Em seu livro Grit, ela examina as experiências de todos. De cadetes de West Point a CEOs. Assim, ela aponta o que está realmente na raiz do sucesso: a tenacidade. E é algo que pode ser aprendido e ensinado.

Oportunidade e tomada de decisão

Todos os dias somos confrontados com decisões. Porém, como sabemos que estamos fazendo as escolhas certas?

Ao compreender mais profundamente a maneira como nosso cérebro e corpo funcionam, podemos alavancar nossos instintos naturais para nos tornarmos melhores líderes, parentes, amantes e humanos.

Esses livros desafiam o que pensamos que sabemos sobre como nossos corpos e cérebros funcionam.

Inteligência visual (Visual Intelligence), de Amy Herman

A historiadora da arte Amy Herman tem ministrado um seminário chamado “A Arte da Percepção” em museus de arte em todo o mundo por muitos anos.

Em seu seminário, ela usa a arte para demonstrar os pontos cegos que temos em nossas percepções e interpretações do mundo. Ela ensinou a todos, desde membros do FBI e do Departamento de Estado a funcionários de empresas Fortune 500, a reconhecer os detalhes pertinentes para melhorar , decisões mais informadas.

Visual Intelligence é um livro que mostra os meandros de como ver e examinar o mundo ao seu redor para que você possa reconhecer as oportunidades e talentos latentes que o cercam a cada dia.

Pensando, rápido e lento (Thinking, Fast and Slow), de Daniel Kahneman

O psicólogo de renome mundial e ganhador do Prêmio Nobel de Economia Daniel Kahneman escreveu um livro que essencialmente fornece um mapa da nossa maneira de pensar.

Em Thinking, Fast and Slow, ele argumenta que dois sistemas diferentes interagem para nos ajudar a tomar decisões. Ao compreender melhor as sutilezas que se passam entre os dois, podemos fazer escolhas melhores que impulsionam nossa vida profissional e pessoal.

Liderança

No coração de qualquer empresa de sucesso está um grande líder.

No entanto, todos sabemos que os líderes nem sempre nascem para suas funções, mas crescem e se desenvolvem com o tempo. Esses livros revelam o que grandes líderes que vieram antes podem nos ensinar sobre grandes ideias e liderança.

Bom chefe, mau chefe (Good Boss, Bad Boss), de Robert Sutton

Escrito em 2012 por um professor de Stanford, Good Boss, Bad Boss ainda é um dos melhores livros de administração do mercado hoje.

Sutton faz pesquisas psicológicas e de gestão para descobrir o que funciona (e o que não funciona) para os melhores chefes (e os piores). Ele analisa de perto o que é necessário para se tornar um grande chefe e inspirar as pessoas a fazerem seu melhor trabalho.

Suas histórias são engraçadas e envolventes. Ele oferece conselhos (como sua “regra sem babacas” que realmente começou tudo) que ficarão com você ao longo de sua carreira.

Originais (Originals), de Adam Grant

Todo mundo quer deixar sua marca no mundo. Mas, como Grant argumenta, isso só pode ser alcançado sendo altamente original.

Para ser original, seu trabalho deve ser novo e cheio de riscos. E você também deve estar 100% por trás dele. Grant obtém informações privilegiadas sobre as histórias de inovadores de enorme sucesso e usa essas histórias para dar uma visão sobre como identificar grandes ideias, como defendê-las construindo uma coalizão de aliados, como encontrar o momento certo para agir e como administrar medo e dúvida.

Originais vale a pena ler se você estiver procurando o próximo grande sucesso em seu negócio.

Diversidade e Inclusão

Já escrevi muito sobre diversidade e inclusão no local de trabalho. Nem é preciso dizer que o que fazemos neste espaço é extremamente importante não apenas para o sucesso de qualquer negócio, mas também para o futuro da raça humana. Aqui estão alguns livros que podem ajudar a abordar o assunto delicado e oferecer uma visão sobre a experiência humana de trabalho.

Então você quer conversar sobre raça (So You Want to Talk About Race), de Ijeoma Oluo

À medida que trabalhamos para criar uma força de trabalho mais integrada e diversificada, devemos aprender a falar sobre raça, tendências sutis e preconceito – no local de trabalho e no mundo.

Em seu livro “Então você quer falar sobre raça”, Oluo oferece a pessoas de todas as origens e raças ferramentas para usar ao discutir assuntos delicados e abordar o racismo sutil. Vale a pena ler para ajudar a criar um mundo mais inclusivo.

We Can’t Talk About That At Work (Não podemos falar sobre isso no trabalho!), de Mary-Frances Winters

Raça, religião, política e outros tópicos delicados surgem continuamente no trabalho, mesmo que sejam tópicos tabu.

Então, como você lida com eles? Em seu livro “Não Podemos Falar Sobre Isso no Trabalho!”, Winters explora como lidar com tópicos delicados de uma forma inclusiva e solidária, apoiando a diversidade no local de trabalho.

Sobre viver sua verdade

Em última análise, ser um bom líder significa conhecer a si mesmo. E você não pode se conhecer sem fazer o trabalho difícil primeiro.

Às vezes, fazer o trabalho duro é complicado. Freqüentemente, envolve alguns conselhos rudes – e alguns palavrões também. Leia os melhores livros para ajudá-lo a viver sua verdade.

Você é fodona (You are a Badass), de Jen Sincero

Jen Sincero usa sua própria vida (e seus próprios experimentos auto-descritos de autoajuda) para guiar os leitores por 27 capítulos, cada um com um pequeno pedaço de ótimos conselhos para seguir seus sonhos e viver sua verdade.

Em You Are a Badass, você aprenderá como parar sua auto-sabotagem, confiar no universo e “usar a Força” para criar mudanças em sua vida – e aprender a confiar em si mesmo.

A arte sutil de não dar a mínima (The subtle art of not giving a F*ck), de Mark Manson

Ok, se você ignorar o título um tanto chocante e chegar ao cerne do livro de Mark Manson, The Subtle Art of Not Giving a F * ck, você descobrirá por que viver e lidar com a realidade é muito mais poderoso do que apenas criticar as coisas acabando com o pensamento positivo.

Manson usa pesquisas científicas para mostrar porque é crucial que nos concentremos nas coisas importantes em nossas vidas e ignoremos o resto.

É uma ótima leitura se você está procurando um aumento de confiança ou se está apenas procurando algo para tirá-lo de uma rotina.

Pra levar pra casa

Reservar um tempo para sentar e se aprofundar em um tópico que lhe interessa pode parecer um luxo que muitos líderes não podem pagar.

Mas a verdade é que se não nutrirmos as partes de nós mesmos que querem continuar a crescer e aprender, não seremos capazes de trazer o nosso melhor para a mesa em casa ou no trabalho.

Reservar apenas 10 minutos por dia para ler, pensar, escrever ou relaxar e focar em nosso autoaperfeiçoamento e nas maneiras pelas quais podemos melhorar a vida das pessoas ao nosso redor é uma maneira segura de continuar a melhorar o mundo ao nosso redor.

Comece com essas 10 ótimas leituras e você certamente descobrirá algo que abrirá sua mente e seu coração para a possibilidade de sucesso.

Referência(s)

Angela Roberts, CEO da U.S. Money Reserve – 10 Books that Motivate, Empower, and Inspire Great Leadership

Ação é o seu objetivo [transforme sua intenção em ação]

Share

Ação é o seu objetivo

Ação é o seu objetivo

Um dos desejos mais intensos de cada indivíduo é encontrar seu propósito – a razão pela qual você está aqui na terra, um grande e abrangente motivo para guiar seus dias.

A busca por esse propósito abrangente (na verdade, propósitos típicos, plural) é uma busca valiosa e, muitas vezes, uma busca que dura décadas.

Mas enquanto você está em busca de sua vocação singular, há um tipo de propósito mais universal a ser abraçado:

a busca pela ação.

Tenha como objetivo a tarefa de sempre fechar a lacuna entre a intenção e o prosseguimento.

Não basta ter iniciativa, é preciso também ter ACABATIVA. Aja de modo a transformar

  • possibilidades em realidades;
  • passividade em movimento;
  • planejamento em execução; e
  • abstração em concretização.

Faça disso o seu objetivo de converter energia potencial em cinética.

Você descobrirá que os efeitos da adoção desse esquema são desproporcionais à sua aparente simplicidade. Em seguida, encontrará em seu objetivo um porquê suficientemente motivador. Depois, descobrirá que é capaz de dizer:

“Eu pensei sobre isso. . . e então, fiz isso acontecer”,

Esta sensação de realizar é profundamente satisfatório e, muitas vezes, o único sentido de vida de que você precisa. Cada vez mais você terá a certeza de que consegue transformar seus desejos em sua criação.

Não é uma tarefa fácil, mas se fosse não seria para você.

Para a questão do propósito, a ação é uma resposta. E é apenas seguindo seus pequenos passos, tentativas e erros, experimentos repetidos – mergulhando no máximo de experiências em primeira mão que puder – que você descobrirá as coisas grandes e grandiosas que realmente foi feito para fazer.

Considerações finais

Propósito, e estar totalmente focado com esse propósito, são três quartos da salvação.

É triste refletir quanta insipidez, sem motivo aparente, existe entre nós.

Assim como o sal dá gosto à comida, um propósito definido transforma nossa vida, deixando-a com mais cor e mais viva.

Viver sem saber o porquê pode transformar sua vida em um  amontoado de podridão ética, pela única razão que nunca foi despertada para o vigor e eletrificada para o efeito pelo toque de um propósito supremo.

Referência(s)

Brett and Kate McKay – Action Is Your Purpose.

Você tem amigos? [liderança versus/ou com amizade]

Share

Você tem amigos?

você tem amigos?

por Alda César.

Quero começar este texto, disponível no sítio Pensador, com uma publicação de um autor desconhecido:

Amizade

Você tem amigos? Em caso positivo, então sabe o quanto é importante ter amigos verdadeiros. Muito já se falou desses tesouros chamados amigos, mas nem todas as pessoas lhes dão o devido valor.

Quando não se é rico, nem importante, nem famoso, é fácil saber quem são os amigos. Pois, em tese, não têm outro motivo para uma aproximação, que não seja a amizade pura e simples. O mesmo não acontece com pessoas ricas ou famosas. Pois aí poderá haver aproximações movidas por interesses e conveniências nem sempre baseados na amizade sincera.

É comum que pessoas famosas, muitas vezes, se sintam solitárias, fiquem depressivas e apáticas, por falta de alguém em quem possam confiar incondicionalmente. A verdadeira amizade está acima de qualquer valor financeiro. Todo o dinheiro do mundo não seria suficiente para adquirir uma amizade leal, já que é um sentimento que não está à venda.

E por mais rico que seja um ser humano, ele não será completamente feliz se não contar com, pelo menos, um amigo fiel. De nada valeria ser a pessoa mais famosa do mundo, se não pudesse contar suas alegrias a um amigo. De nada adiantaria ter todas as riquezas materiais que o mundo pode oferecer, se não houver uma amizade para compartilhar.

Por outro lado, ainda que a pessoa seja a mais pobre da face da terra, se tiver um amigo verdadeiro, nunca passará necessidade. Quando outras emoções se enfraquecem no vaivém dos choques, a amizade perdura, companheira das pessoas que se estimam.

Ter amizade é ter coração que ama e esclarece, que compreende e perdoa, nas horas mais amargas da vida. A amizade pura é uma flor que nunca morre. Para tê-la, você precisa aprender a ser amigo.

Afinal o que significa amizade?

“A amizade ocupa um lugar fundamental em nossas vidas. Ela é tão importante como a necessidade do ser humano de se alimentar e descansar por exemplo. A amizade perfeita apenas pode existir entre os bons.” Aristóteles 

você tem amigos?

“A Escola de Atenas”, do pintor italiano Rafael; ao centro, os filósofos gregos Platão e Aristóteles (Aristóteles apontando para cima, clara evidência sobre a teoria das idéias).

Aristóteles (384 – 322 a.C) foi quem buscou aprofundar o sentido desta relação para a vida como um todo. Por isso pode nos ajudar a responder a essa pergunta. Ele afirma que a amizade (philia) é “sumamente necessária à vida”. Mesmo para aqueles que possuem muitos bens, pois a prosperidade nada é sem o “ensejo de fazer o bem”. Bem que consiste na “prática de ações nobres”.

“Quando os homens são amigos não necessitam de justiça.” Aristóteles

Cultura grega

A cultura grega influenciou o ocidente, não só na linguagem, mas em seus mitos e culturas. Os filósofos gregos estudaram sobre diversas questões, como política, beleza, verdade, vida, conhecimento, amor e amizade.

Apesar de Platão ter escrito em seus diálogos sobre a amizade (no Lisias), quem mais se destacou foi seu discípulo Aristóteles. No livro ética a Nicômaco, Aristóteles dedica os seus livros IX e X para falar sobre o tema.

Para o filósofo, “A amizade é uma virtude, além de ser algo extremamente necessário para a vida.” De fato, ninguém gostaria de viver sem amigos, mesmo que ele possuísse todos os outros bens.

Amizade é uma palavra que evoca uma relação de confiança. Mas o filósofo parece ir mais além disso e, a fim de alcançar esse sentido, reconhece que a amizade é uma relação de amor.

No entanto, pode-se falar acerca da existência de tipos de amizade em Aristóteles. As formas de amizade relacionam-se com o objeto de amor ou “coisas estimáveis”. Com respeito a cada uma delas existe um amor mútuo, e os que amam desejam-se bem a respeito daquilo porque amam. Para o filósofo, a amizade pode basear-se na utilidade ou no prazer ou no bem (denominando assim, os tipos dessa relação).

Na modernidade

Três grandes pensadores já discutiram a concepção de amizade: Montaigne, Voitaire e Kant.

Podemos definir nesse contexto de modernidade como um conjunto de transformações culturais, políticas e econômicas que tem início a partir do século XV e se estende até o século XVIII.

amizade3Montaigne dedicou um capítulo inteiro a amizade a seu amigo Etienne de La Boëtie.

Para Montaigne, entre pais e filhos não pode haver amizade, mas somente respeito. Assim como também não se pode confundir amor e amizade.

Para Voltaire: “A amizade sempre me pareceu a primeira de todas as virtudes, porque é a primeira de nossas consolações”. “Fazer amigos para vencê-los é como construir monstros para combatê-los; é mais natural, mais razoável e mais humano fazer amigos”. amizade4

Em seu livro Ingênuo, Voltaire afirma: “A leitura dilata a alma, mais um amigo iluminado a consola”. E no seu Dicionário Filosófico, publicado em Genebra em 1764, o verbete Amizade registra: “é um contrato tácito entre duas pessoas sensíveis e virtuosas”.

Foi em Lições de Ética que o filósofo alemão Immanuel Kant disse que na amizade o homem se ocupa ao mesmo tempo da felicidade própria e alheia.

amizade5

Distinguindo aqui três formas diferentes de amizade – aquelas decorrentes da necessidade, aquelas fundamentadas no gosto ou intensão e aquelas baseadas no sentimento de intenção – Kant afirmou que a amizade é a superação da ética da busca individual da felicidade. É o máximo do amor recíproco.

De qualquer maneira, encontramos na história da filosofia vários pensadores que apontam a importância da amizade.

O amigo

É o amigo que nos alerta, quem nos provoca a pensar. É também um amigo quem compartilha conosco suas histórias, seu modo de ser, seu cuidado, seu riso.

amizade6

Amizade é uma relação afetiva entre indivíduos.

É o relacionamento que as pessoas têm um afeto e carinho por outra, um sentimento da reciprocidade do afeto, de uma ajuda mútua, compreensão e confiança.

Ela pode ter diversas origens, como: o colégio, a faculdade, o trabalho, amigos em comum, mas também pode surgir por acaso. A amizade não precisa acontecer com pessoas exatamente iguais, com os mesmos gostos e vontade. E em certos casos é exatamente esse o fato que os une. A amizade tem a função de acrescentar ao outro, com suas ideias, momentos de vida, informações, ou é apenas ter alguém para dividir momentos e sentimentos.

Alguns amigos, inclusive, se chamam de melhores amigos, pois se consideram mais que amigos, um irmão de coração. Alguns valores, atitudes e comportamentos relacionados com a amizade podem variar de acordo com a sociedade ou com o momento específico da história.

“O amigo ama em todos os momentos; é um irmão na adversidade”. (Provérbios 27:9)

amizade7

Será utopia?

Para alguns, a amizade verdadeira pode ser considerada como uma utopia. Em face de um mundo globalizado, onde as pessoas atropelam seus interesses por uma amizade, pensando mais em si que no próprio amigo, prejudicando a relação.

Você tem amigos?

Se faz necessário falarmos da virtualidade atual. Nas redes sociais, por exemplo o Facebook, ser amigo é ter sido aceito na página de alguém. Nessa circunstância, a amizade pode ser superficial. Mas por outro lado, certos encontros podem se tornar sólidos, duradouros e, inclusive, escapar da barreira virtual. Tudo é relativo! As redes sociais podem tanto abrir ou fechar portas.

Reações físicas

O médico especialista e pesquisador Ricardo Monesi, professor do Instituto de Medicina Comportamental da Universidade Federal de São Paulo, relata que o cérebro trabalha tão intensamente quanto a língua; a amizade envolve não apenas o contexto social, mas também o biológico e o psicológico. “Essas três dimensões estabelecem relações multidirecionais, ou seja, interagem mutuamente”.

Ele conclui afirmando: ao se relacionar com outra pessoa ou com um grupo, as sensações se traduzem em benefícios no organismo, através da liberação de substâncias que, além da sensação do prazer, ajudam em fatores como o fortalecimento do sistema imunológico e na diminuição da dor.

“O corpo libera os neurotransmissores, como dopamina, serotonina e endorfina, que oferecem sensação de bem-estar e que às vezes é tão intensa, que podem reduzir os níveis de dor, trabalhando como analgésicos, detalha Monezi.

Além disso, as relações sociais são capazes de reduzir a liberação de hormônios relacionados ao estresse, como a adrenalina, a noradrenalina e o cortisol, consequentemente diminuindo o risco de doenças cardiovasculares e fortalece as defesas do organismo.

Monezi lembra: ter amigos pode trazer benefícios no âmbito psicológico, reduzindo a ansiedade; melhora também nos quadros depressivos. No lado social, a amizade ajuda na redução das violências sociais, conclui o especialista.

Você tem amigos?

Conclusão

Amigos são importantes porque todos precisamos saber que somos apreciados, queridos e até amados por aqueles que escolheram ser nossos amigos entre todas as pessoas do mundo.

A amizade é uma escolha. É esse processo de compartilhamento de seus valores e sentimentos que faz a amizade durar. Se faz necessário fortalecer o emocional e ser compreensivo.

No início, a proximidade é importante, porém, amizades fortes sobrevivem mesmo com a distância.

Escolha bem seus amigos e não confunda coleguismo com amizades.

“É melhor ter a companhia do que estar sozinho, porque maior é a recompensa do trabalho de duas pessoas. Se um cair, um amigo pode ajudá-lo a levantar-se. Mas pobre um homem que cai e não tem quem o ajude a levantar-se!” Eclesiastes 4:9-10

Referências

Pensador.

Filosofia no Caminho.

Carolina Samorano e Juliana Contaifer.

Cinco motivos pelos quais sua marca pessoal é importante

Share

Cinco motivos pelos quais sua marca pessoal é importante

Cinco motivos pelos quais sua marca pessoal é importante

“SUA MARCA PESSOAL É O QUE OS OUTROS DIZEM DE VOCÊ QUANDO VOCÊ SAI DA SALA”. – JEFF BEZOS

Eu estava almoçando com um casal de amigos recentemente, saboreando um bom hambúrguer com batatas fritas. Quando o garçom veio anotar nossos pedidos de bebida, sorri e pedi uma Diet Coke.

“Diet Pepsi ficaria bem?”

Suspiro…

‘Ok’ é provavelmente a melhor palavra para o que eu estava pensando naquele momento. Eu sou um bebedor de Coca, sempre fui. Beberei Pepsi de vez em quando, mas não como primeira escolha.

Quando alguém oferece Pepsi como alternativa à Coca, é um pouco decepcionante. A imagem que a marca Coca carrega é importante para mim – ela transmite um sabor melhor, um pouco mais de pegada, uma qualidade superior.

“Claro … uma Diet Pepsi está bem.”

A marca é importante.

Quer você esteja falando sobre computadores Apple, relógios Breitling ou produtos da Coca-Cola, como uma marca é percebida é importante. Isso cria valor. E quanto maior o valor percebido, mais receita a marca gera.

Então, por que deveria ser diferente para você?

Sua marca de líder pessoal não deveria ser sinônimo de desempenho de qualidade?

Você não quer que seu nome seja o primeiro na mente de um líder sênior em oportunidades de carreira e atribuições? Não quer ser visto como alguém que agrega valor a qualquer equipe de liderança?

No entanto, a maioria de nós ignora nossa marca líder.

E devemos conhecê-la.

Quer você perceba ou não, você já tem uma marca líder. Você a leva para onde quer que vá. Ela engloba tudo sobre você:

  • valores;
  • ética de trabalho;
  • experiência;
  • estilo; e
  • uma infinidade de outras facetas de sua personalidade.

É um reflexo da sua reputação.

Ou, parafraseando o fundador da Amazon, Jeff Bezos, é o que as pessoas dizem quando seu nome é mencionado.

Mas você não o administra como uma marca. Você trabalha muito, tem orgulho do seu trabalho e acredita que o boca a boca servirá como seu cartão de visita profissional.

Isso funciona para algumas pessoas.

Mas geralmente isso não acontece.

Pense nisso e você poderá nomear rapidamente um punhado de colegas excepcionalmente talentosos que nunca alcançaram seu potencial profissional. Talento não reconhecido é o ponto alto de uma piada realmente ruim. E você realmente não quer que sua carreira seja uma piada.

Este é o ponto em que alguns de vocês balançam a cabeça e dizem:

“Por que isso importa? Minha ética de trabalho fala por si. Meu chefe cuidará de mim. ” Sim … realmente não funciona assim. Isso pode fazer você se sentir bem, mas não vai te levar longe.

SE VOCÊ PERCEBE OU NÃO, VOCÊ JÁ TEM UMA MARCA DE LÍDER.

Reconhecer sua marca líder é um primeiro passo importante para assumir o controle de sua própria marca. Descubra. Bom ou ruim, é a sua marca. Você pode controlá-la ou ceder o controle a outros. É uma escolha.

O que sua marca faz por você?

Essa é a pergunta de um milhão de dólares.

Não gerenciada, sua marca faz pouco por você. Mas com algum planejamento cuidadoso e esforço concentrado, sua marca líder pode fazer cinco coisas muito importantes para ajudá-lo a traçar e controlar sua carreira profissional:

1. Controle e potência da imagem.

Conforme você descasca a cebola de sua marca de líder pessoal, a primeira coisa que você descobrirá é que provavelmente permitiu que outros controlassem sua marca por você.

Temos a tendência de forçar o máximo que pudermos e, quando chegar a hora, pedir que outras pessoas nos digam como estamos. Se não ganharmos o reconhecimento que achamos que merecemos, colocamos nossos narizes de volta na pedra e continuamos a moer.

Pode haver um pouco de troca, alguma negociação básica, mas geralmente a fórmula permanece inalterada. O problema com essa abordagem é simples:

em uma profissão que carece de um verdadeiro sistema de gestão de talentos, tendemos a – como escreveu o ex-oficial da Força Aérea Tim Kane – sangrar o talento. E você não quer fazer parte desse sangramento.

Controlar sua própria marca se traduz em poder.

Porque este é o ponto em sua carreira em que você para de permitir que outros definam sua marca. É tão libertador quanto fortalecedor.

E tudo se resume a uma decisão sua de assumir o controle de sua marca líder.

2. Identidade e diferenciação.

A marca pessoal começa com a identidade – quem é você e o que traz para a organização?

Lembre-se, em uma profissão onde a uniformidade é frequentemente valorizada em relação à individualidade, a diferenciação é a chave para uma marca líder.

  • O que te faz especial?
  • O que você faz melhor do que ninguém?
  • O que faz de você um “cara”?

Essas são perguntas importantes para se perguntar e ainda mais importantes para responder.

Normalmente, permitimos que outros definam o que nos diferencia, escrevendo nas entrelinhas das avaliações de desempenho. O que realmente importa quando alguém observa que você é “um cara de equipe” ou que sua “integridade está acima de qualquer reprovação”? Você não prefere ser “a força motriz por trás de uma mudança positiva” ou “o líder mais inovador da organização”?

Uma grande parte de assumir o controle de sua marca líder é defini-la você mesmo. Você a define, você a descreve, você a entrega.

Você decide o que constitui sua marca pessoal, não outra pessoa.

3. Autoconsciência e reflexão.

Uma marca pessoal possui uma certa qualidade yin-yang:

  • identidade de marca (como você se vê); e
  • imagem de marca (como os outros o veem).

Quando esses valores estão desequilibrados, os resultados podem ser tão cômicos quanto trágicos.

Todos nós conhecemos pessoas que estão completamente desligadas de como os outros as percebem. Elas colocam uma fachada e se escondem atrás dela, alegremente ignorantes ou em estado de negação. Elas não têm autoconsciência ou simplesmente não se importam com a forma como os outros as percebem, o que não é uma coisa boa.

Assumir o controle de sua marca líder requer uma jornada pessoal de autoconsciência e reflexão.

Identificar e focar em seus pontos fortes é uma coisa. Reconhecer e lidar com suas fraquezas é outra.

Amigos e mentores de confiança são essenciais para esse processo, pessoas que oferecem feedback e conselhos francos e honestos.

Este é provavelmente o aspecto mais difícil do processo de branding pessoal, porque envolve confrontar percepções suas que podem não ser agradáveis. Mas gerenciar sua marca de líder pessoal significa reconhecer a lacuna entre a identidade de sua marca e sua imagem de marca.

Deixe seu orgulho na porta. Você precisa disso.

4. Visão e definição de metas.

Em última análise, controlar sua marca líder o ajuda a alinhar sua visão com seus objetivos pessoais e profissionais.

Para aqueles que gerenciam suas carreiras por meio de uma estratégia deliberada (um plano de “cinco anos”, por exemplo), incluir elementos de marca pessoal no design é uma questão relativamente simples.

Para os que tendem a gerenciar suas carreiras de uma maneira mais “despreocupada”, assumir o controle de sua marca de líder pode envolver algum esforço adicional.

Em ambos os casos, gerenciar sua marca o ajudará a focar seus objetivos em uma imagem de marca que você controla, estabelecendo a base para seu sucesso a longo prazo. Pode dar algum trabalho para chegar lá.

5. Visibilidade e presença.

Por fim, assumir o controle de sua marca de líder pessoal tem o potencial de mudar fundamentalmente a forma como os outros o veem.

Defina suas metas de maneira adequada, desenvolva um plano de ação para construir sua marca, e o resultado deve aumentar sua visibilidade e presença significativamente.

Isso pode ser positivo ou negativo, dependendo de quão realista você é com sua marca de líder pessoal, de quão honesto você é com sua própria autoavaliação.

Os resultados que você alcançará serão consistentes com a quantidade de esforço que você dedica para definir e entregar sua marca. Se você fizer o esforço adequado, os resultados serão positivos.

Sua marca de líder pessoal é importante. Para você, pode ser a diferença entre um computador Apple e um Gateway, entre um Breitling e um Timex.

Profissionalmente, sua marca é o que abre portas para você, o que abre oportunidades que podem definir sua carreira.

Assumir o controle dessa marca significa assumir o controle de sua carreira e de seu futuro. No final das contas, a decisão é sua: você quer decidir o seu futuro ou quer que outra pessoa faça isso por você?

Referência(s)

Steven M. Leonard – Five Reasons Why Your Personal Leader Brand Matters

Tentar permanecer otimista está fazendo mais mal do que bem

Share

Tentar permanecer otimista está fazendo mais mal do que bem

Tentar permanecer otimista está fazendo mais mal do que bem

Chega de FONO. Como reconhecer e quebrar o hábito da “positividade tóxica”.

Quando seu paciente começou a falar sobre notas médicas, a neuropsicóloga Judy Ho decidiu intervir.

Seu cliente, um empresário extremamente bem-sucedido, era rico, tinha um casamento feliz e era bem visto por seus colegas. O problema eram os dias em que ele se sentia deprimido e abatido, mas incapaz de admitir isso.

Para o paciente, a única maneira de lidar com isso era regredir, como um colegial, e buscar a permissão de um médico para se reagrupar.

“Ele sabia que não estava doente, mas iria entrar e inventar algo”, diz Judy, “só para poder tirar um dia de folga e ficar bem consigo mesmo”.

Ela reconheceu que o paciente estava sofrendo de um mal-estar contemporâneo crescente.

“Ele sempre teve que demonstrar seu valor para as pessoas”.

Ele pensava:

‘Devo transmitir esta imagem de sucesso e uma vida feliz que todos passaram a conhecer sobre mim, e não quero jamais mudar essa imagem’.

Isso é positividade tóxica.

Chame isso de FONO (Fear Of Negative Outcomes) ou medo de uma perspectiva negativa. Também conhecido como “positividade desdenhosa”, é expresso como uma alegria forçada, não importa o quão ruim as coisas estejam.

Redes sociais

Você vê isso no Instagram, onde o filtro afetivo é sempre otimista. Ouve isso do instrutor da academia exortando você a suar mais, a despeito da dor. Essa positividade está em todo lugar, é onipresente. Afinal, ela “está dentro de nós“. Você pode até reconhecê-la no chefe que insiste para que os colegas comecem todas as reuniões do Zoom compartilhando uma boa notícia para ajudar a manter o humor alegre em meio à escuridão.

Pense nessa mentalidade como aquela que responde a toda ansiedade ou tristeza humana com otimismo intransigente.

Ele pode ser encontrado em frases que começam com as palavras negativas “pelo menos”, que são seguidas por uma sugestão de que, por pior que você esteja se sentindo, pelo menos você tem muitas outras coisas que devem compensar e superar isso.

Mesmo a insistência opressiva de que devemos amar nosso corpo, não importa o que aconteça, pode levar à intolerância otimista, sugerindo que não é certo querer trabalhar nas dobras da barriga ou nas rugas de expressão.

O FONO pode impulsionar qualquer autoconfiança delirante, sejam políticos tentando escapar dos fracassos da Covid-19 com chavões sobre força ou vendedores ambulantes vendendo uma chance de progredir.

As pessoas comuns, em busca de inspiração e segurança, tornaram-se os alvos principais desses vendedores de entusiasmo.

A filiação à International Coach Federation, órgão de coaching de vida, aumentou de quase 4.700 no mundo todo em 2001 para mais de 41.000 hoje.

A ‘esteira de conquista’

Pessoas bem-sucedidas são as mais propensas a cair nessa forma de pensar, diz Naomi Torres-Mackie.

Como chefe de pesquisa da Mental Health Coalition e psicóloga praticante no Lenox Hill Hospital de Nova York, ela trabalha extensivamente com pacientes presos no que ela chama de “esteira de conquistas”. É aí que a dúvida e a reflexão são postas de lado em favor de um espírito entusiasta e ativo.

Veja o financista recém-casado que ela tratou.

No auge de sua carreira, seu único problema identificável era a insônia. Enquanto trabalhava com Torres-Mackie, o Wall Streeter reconheceu que a causa era sua fixação em como ele se comparava aos outros.

As únicas perguntas que ele se perguntou foram:

‘Quanto sucesso estou tendo e o que meu chefe está pensando?’, diz ela.

“Ele estava tão focado em criar uma imagem perfeita, feliz e positiva, que não deixou espaço para processar e digerir as coisas difíceis.”

Só depois de deitar à noite essas preocupações viriam à tona e o manteriam acordado. Seu tratamento depois se concentrou em quebrar a conexão que ele estabeleceu entre parecer feliz e ser bem-sucedido.

Para a geração atual, as origens dessa positividade emocional estão na década de 1990, quando o então presidente da American Psychological Association, Martin Seligman, postulou que o pessimismo é um comportamento aprendido. Portanto, ele pode e deve ser evitado.

“Alguns dos melhores momentos da vida, quando você realmente se sente bem, são cheios de emoções misturadas”

Essa observação se transformou em best-sellers como O Segredo, publicado pela primeira vez em 2006 pela executiva da TV australiana que se tornou autora, Rhonda Byrne.

Ele foi popularizado depois que Oprah Winfrey defendeu seu ethos.

Cultura organizacional

Essa bíblia revolucionária foi essencialmente construída com base em afirmações de que o poder do pensamento positivo forneceria tudo o que você quisesse, seja um bebê ou um Mercedes-Benz.

A cultura corporativa contemporânea exacerba essas tendências.

Antes da pandemia, os funcionários eram incentivados a ficar felizes porque trabalhavam em um escritório, talvez, com mesas de pingue-pongue e almoços grátis. Agora, em um mundo que trabalha em casa, eles são incentivados a serem gratos simplesmente por ter um emprego.

Whitney Goodman, psicoterapeuta em Miami, explica que esses locais de trabalho criam um beco sem saída, onde os funcionários não são capazes de levantar preocupações por medo de não serem vistos como um trabalhador de equipe ou dignos de uma promoção. Preso a preocupações não expressas, é mais provável que falhem no final.

Relatórios clínicos reforçam sua tese. Um estudo de 2018 publicado no Journal of Personality and Social Psychology ecoou pesquisas anteriores ao descobrir que as pessoas se sentiam mais tristes quando se esperava que ocultassem tais emoções.

Brett Ford, professora de psicologia da Universidade de Toronto e uma dos autores do estudo, diz que viver com a positividade tóxica requer desviar o olhar dos problemas, ao invés de encarar os sentimentos antigos desconfortáveis.

“Observe-os, deixe-os em paz, tente não afastá-los”, diz ela, “e eles passarão. As emoções devem ser experiências de vida relativamente curta.”

Então, como lidar?

Judy Ho, a neuropsicóloga, tem uma sugestão inesperada para ajudar a calibrar uma perspectiva Poliana: uma sessão assistindo Divertida Mente (Inside Out) da Disney-Pixar, que anima e dramatiza emoções humanas.

“Um dos melhores antídotos para a positividade tóxica é reexaminar seu sistema de valores e entender que alguns dos melhores momentos da vida, quando você realmente se sente bem, são cheios de emoções confusas”, diz ela. “E é isso que devemos abraçar como seres humanos.”

Junto com você, permitir que os outros expressem negatividade também é vital.

Elimine as palavras “pelo menos” de seu vocabulário emocional, recomenda Judy Ho, e concentre-se na escuta reflexiva. “Repita o que você acha que ouviu, sem adicionar nada a isso. Você nem sempre tem que fazer um curativo ou perguntar, ‘O que eu posso fazer?’ ”

Não é nenhuma surpresa que Byrne também retorne agora. Sua sequência, O Maior Segredo, foi lançada em novembro. A sinopses recomendam a leitura do livro, e você poderá remover toda a negatividade. – Como se isso devesse ser um objetivo central na vida. (Mais de 80% das avaliações de usuários da Amazon.com deram cinco estrelas.

“Este ano, com crise após crise, voltamos às formas instintivas de enfrentamento que nos incutiam desde tenra idade – que precisamos ser positivos para superar isso”, diz Goodman.

“É verdade que precisamos ter alguma consciência de que isso não vai durar para sempre, mas também temos que atentar para o fato de que, bem, isso não é normal.”

Referência(s)

Mark Elwood -Trying to Stay Optimistic Is Doing More Harm Than Good.

Olhar pra frente mas sem esquecer do passado

Share

Olhar pra frente mas sem esquecer do passado

Olhar pra frente mas sem esquecer do passado

Esperamos um melhor 2021, mas os anos passados nos ajudaram a crescer.

por Ronaldo Lundgren.

Final do ano se aproxima. Ano complicado. Para o mundo todo e todo mundo. É momento de renovar os planos. Isto ajuda a restabelecer a esperança, a força e a coragem para prosseguirmos na caminhada.

Deve-se olhar pra frente tendo o cuidado de não esquecer o passado.

É este passado que reforça as crenças e os valores que cada um de nós cultua. As mudanças que precisam ser feitas para conquistar os objetivos futuros se baseiam nessa história já vivida.

Quando se analisa o ano que finda, é possível agrupar as principais coisas que aconteceram em nossas vidas em 3 grupos de acontecimentos:

  1. Perdas;
  2. Realizações; e
  3. O que melhorar.

Se, em 2020, você teve

  • parentes próximos que venceram a Covid-19;
  • outros que perderam a batalha;
  • demissão do emprego ao qual tanto se dedicava;
  • afetada sua estabilidade emocional por conta do afastamento social ou das intrigas políticas;
  • trabalho no estilo “home office”, que lhe forçou uma convivência intensa em casa; e/ou
  • oportunidades que se abriram e você agarrou pelo menos uma delas.

É momento de reavaliar suas crenças a partir de como você reagiu a cada um desses principais acontecimentos.

Segundo o Instituto Brasileiro de Coaching, as crenças consistem em 3 tipos:

  • crenças sobre identidade;
  • crenças sobre capacidade; e
  • crenças sobre merecimento.

Se houve uma perda, em que você se apoiou para buscar forças e prosseguir na jornada? Em que você acreditou? Foi em Deus, nos laços familiares, em amigos, em sua própria capacidade?

E no caso de suas realizações? Quais suas crenças nesses momentos de conquista? Foi em você mesmo, nos companheiros que ajudaram, na sorte que teve, em Deus?

As suas crenças

Crenças são os pensamentos (geralmente inconscientes), embebidos em sentimentos, que temos sobre a realidade. E estes pensamentos podem ser limitantes ou empoderadores.

Após listar suas crenças para cada acontecimento importante de sua vida em 2020, procure identificar onde você foi mais forte e onde foi mais fraco. Onde pode melhorar?

Será que você deixou de considerar alguma de suas crenças que poderiam lhe ajudar?

Liste suas crenças. Medite sobre cada uma delas.

Agora, comece a olhar pra frente. Para 2021. Quais serão seus objetivos? Definir os objetivos a partir daquilo que você acredita é fundamental para alcançá-los.

Fred Graef afirma que

“as nossas crenças são os maiores limitadores para atingirmos o que desejamos. […] tudo o que desejamos ser, fazer ou ter na vida, e ainda não somos, não fazemos ou não temos, é por causa de nossas crenças”. 

Olhar pra frente

Com suas crenças entendidas, planeje seus desejos para 2021. Você terá mais chance de atingir cada um dos objetivos traçados. Nos momentos difíceis, aparecerá uma força interior que você nem sabia que tinha. São suas crenças lhe apoiando.

Feliz ano novo.

Referência(s)

Instituto Brasileiro de Coaching.

Fred Graef.

Poder versus força: como conseguir o que deseja

Share

Poder versus força: como conseguir o que deseja

Poder versus força

Você já percebeu que quando está um pouco ansioso para obter um resultado, esse resultado escapa de você?

Você precisa ter o desejo de um resultado para se esforçar para tentar alcançá-lo, mas se você forçar demais a situação, não conseguirá o que deseja.

Ou você vai conseguir, mas vai pagar um preço muito alto no processo.

Todos nós temos nossa versão do que chamaríamos de uma vida boa e todos almejamos algum nível de autorrealização. Em nossas vidas, temos diferentes motivações para nossas ações.

Não há uma resposta perfeita para chegar a esse ponto, nem as motivações por trás de suas ações são certas ou erradas, mas tendem a produzir certos resultados.

Você opera principalmente a partir de duas fontes – poder ou força.

Vamos dar uma olhada mais profunda no conceito e falar sobre as motivações que orientam seu comportamento.

Compreendendo os níveis de consciência

No livro Power vs. Força de David Hawkins, ele discute diferentes níveis de consciência. Cada nível possui um conjunto diferente de crenças e comportamentos.

Ele costuma falar literalmente sobre esses níveis. Para mim, os níveis servem apenas como um guia útil para a compreensão do comportamento humano. A compreensão de cada nível pode ensiná-lo por que você faz as coisas que faz. Você deseja sair de um local de operação por meio da força e, em vez disso, usar o poder.

Confira como são esses níveis:

Nível de Consciência Escala Emoção Visão de Vida
Iluminação 700 – 1000 Indescritível Eu sou
Paz 600 Felicidade Perfeito
Alegria 540 Serenidade Completo
Amor 500 Contemplação Benigno
Razão 400 Compreensão Significativo
Aceitação 350 Perdão Harmosioso
Boa vontade 310 Otimismo Esperançoso
Neutralidade 250 Lucidez Satisfatório
Coragem 200 Determinação Possível
Orgulho 175 Desprezo Exigente
Raiva 150 Ressentimento Antagônico
Desejo 125 Cobiça Desapontado
Medo 100 Ansiedade Assustado
Tristeza 75 Arrependimento Trágico
Apatia 50 Desespero Desesperançoso
Culpa 30 Remorso Infortúnio
Vergonha 20 Humilhação Miserável

Cada nível tem um nome, pontuação, emoção e visão. Leia-os e verá que fazem sentido em um nível intuitivo.

Se você olhar para de baixo para cima, parece que alguém se eleva para alcançar todos os seus objetivos, chegando a um nível mais alto de compreensão, amor pelos outros e, em última instância, total desapego a qualquer coisa.

Sempre argumentei que passar pelo processo de ascensão é mais fácil e melhor do que tentar mediar seu caminho para a bem-aventurança. Especialmente quando se trata de subir acima dos degraus inferiores.

A maioria das pessoas passa a vida nesses níveis baixos.

O que as notícias dos jornais nos mostram? Medo, indignação, raiva.

Olhe nos olhos de muitas pessoas quando estão indo para o trabalho e você verá apatia.

Por que vivemos em um mundo materialista? Porque precisamos preencher um vazio.

Poucas pessoas superam esses níveis baixos. Mas você pode. Vamos falar sobre como.

Força: como chegar ao poder

Se você já leu meus artigos, sabe que tenho uma tendência a cutucar você. Algumas pessoas consideram minha escrita rude ou agressiva. Eu uso esse estilo porque parece ser a melhor maneira de inspirar as ações certas.

É um estilo forte.

Assisti a um vídeo cuja mensagem era sobre o processo pelo qual as pessoas passam quando estão tentando ter sucesso. É como se as pessoas entrassem em uma “caverna escura” e, com o intuito de fazerem algo por si mesmos, aceitam se machucarem e sentirem dor.

Muitos entram na caverna porque precisam.

Eles precisam porque sentem o peso de estar abatidos.

Entrei na caverna porque me sentia deprimido. Minha vida era uma droga e eu queria mudar isso. Comecei a mudar, me forçando a melhorar.

Passei por alguns dos diferentes níveis neste caminho:

Raiva

Eu estava chateado por ter deixado minha vida chegar a um ponto tão baixo. Então, decidi mudar.

A raiva pode ser uma emoção útil se tirar você de um estado apático.

Se você não está onde gostaria, provavelmente não vai se sentir inspirado de repente. Use a raiva se for necessário.

Desejo

Eu queria os números, o dinheiro, o status etc.

Por mais que digamos que odiamos uma “curtida de página” e anúncios enganosos, eles nos atraem porque somos governados pelo desejo.

Tudo bem. Novamente, você pode usar o desejo como um trampolim.

Orgulho

Pelo menos com orgulho, embora forte, você está colocando seu peito para cima e enfrentando o mundo.

É o último nível de força antes de você começar a chegar ao poder.

A força

Você não quer depender inteiramente da força para conseguir o que deseja, mas é importante entender a natureza dela. Conforme você cresce e aprende, pode contrastar esta maneira de ser e, em vez disso, tornar-se poderoso.

Algumas das características comuns da força são:

Manipulação

Novamente, é por isso que algumas pessoas temem o sucesso. Você tem aversão a sentir que precisa enganar as pessoas para progredir.

Coerção

Semelhante à manipulação, quando você está se esforçando muito para conseguir o que deseja, você compromete alguma parte de si mesmo no processo.

A própria sociedade é o maior exemplo desse comportamento forçado e coercitivo.

Carência

Há uma diferença sutil entre querer que algo aconteça e precisar que aconteça. No minuto em que você fica carente de um resultado, ele se afasta ainda mais.

Insegurança

Se você estivesse seguro de quem você é como pessoa, então não se importaria com os resultados de qualquer maneira. Se você está tentando forçar algo a acontecer, está dizendo a si mesmo que precisa do resultado para lhe dar algo que você ainda não tem.

Tomando

Tudo isso se sobrepõe um pouco, mas a força vem da atitude de que você está tentando “pegar o que é seu” em vez de obter ótimos resultados por meio de reciprocidade.

—–xxx—–

Eu não estou defendendo a força. Estou explicando como funciona.

A força tem uma reação contrária a ela. Você pode conseguir o que deseja com a força, mas terá cicatrizes por causa disso. Eu certamente tenho algumas.

Olhando para trás, percebi que poderia ter alcançado o que queria sem as emoções extras associadas a isso.

Tire suas próprias conclusões. Porém, tente entender as motivações por trás de suas ações enquanto você as age.

Poder: como atrair o que você deseja sem forçar a situação

Não leva uma eternidade para alcançar um lugar mais poderoso em sua vida.

Na verdade, isso aconteceu comigo no início. Honestamente, minhas motivações foram sempre fortes e poderosas. O mesmo acontecerá com você, se e quando decidir fazer sua própria peregrinação.

Eu queria uma vida melhor.

Talvez no começo eu quisesse por motivos egoístas. Parte de mim ainda quer coisas por motivos egoístas. Mas, à medida que mergulhei no processo de aprender como melhorar minha vida e comunicar meus pensamentos, minha energia mudou.

Pela primeira vez em muito tempo estava curioso e, mais importante, pronto. Eu estava conseguindo novas realizações. E compartilhando meus pensamentos, aprendi a ter uma melhor compreensão do mundo.

Você passará por estes níveis se fizer uma peregrinação também:

Coragem

Essa é a centelha inicial.

Você bate o pé e diz a si mesmo que está pronto. Aconteceu comigo um dia, quando gritei ao acaso no meu quarto, dizendo a mim mesmo que desta vez era diferente.

Isso funcionou.

Neutralidade

Neste ponto você está acomodado e entende que depende de você. Se você confiar em si mesmo, pode fazer as coisas acontecerem.

Vontade

Esta é a fase em que você se compromete de verdade com o seu próprio crescimento pessoal e autoaperfeiçoamento. Eu li cerca de 75 livros no primeiro ano de ‘meu caminho’. Eu queria respostas, então fui procurá-las.

Característica do poder

Você atinge um estado de poder quando consegue o que deseja por causa de quem você é.

E o poder não se trata apenas de conseguir o que você deseja.

É sobre ser poderoso em geral, que é um estado de abertura em que você enfrenta o mundo de uma forma que deixa todos melhor.

Algumas das características comuns de poder são:

Autocontrole

Você se esforça para administrar seu próprio comportamento, crescimento e tomada de decisões, em vez de culpar as circunstâncias pelos seus resultados.

Segurança

À medida que você melhora diferentes áreas de sua vida, sua mentalidade e confiança melhoram, o que o torna mais atraente. Você desenvolve um ar sobre você que vem de saber que você é competente.

Atração

Quando você está confiante e não se importa com os resultados, os resultados vêm para você.

Quando comecei a escrever, lançava diferentes publicações na esperança de que me aceitassem. Anos depois, quando eu estava confiante em minhas habilidades e tinha minha própria plataforma, essas mesmas publicações me alcançaram.

Apresentação

Em vez de tentar convencer os outros da sua causa, você simplesmente se expõe sabendo que alguns vão aceitar e outros não.

Dar

Você percebe que conseguir o que deseja vem do processo de ajudar outras pessoas a conseguirem o que desejam.

Fiquei mais poderoso porque fiz coisas que me fascinaram acima de tudo.

Eu amo aprender. Amo compartilhar meus pensamentos. Se as pessoas pensam que sou “autêntico”, provavelmente é porque estou fazendo o meu melhor simplesmente para compartilhar a verdade como a vejo, nada mais.

Eu não posso forçar você a ler meus artigos. Eu só posso publicar meu melhor trabalho e ver o que acontece.

Isso é o que o poder ensina a você.

Passamos muito tempo em nossas cabeças – com medo, com raiva, governados por desejos, cheios de culpa e vergonha.

Se cada indivíduo na sociedade apenas se concentrasse em sua própria autorrealização, todos os nossos problemas desapareceriam.

Já que isso não vai acontecer, a próxima melhor coisa que você pode fazer é seguir seu caminho.

Aprenda você mesmo

Definitivamente, leia o livro.

Então, quando você estiver tentando navegar em sua vida, tente ficar consciente de onde suas motivações estão vindo e se você está ou não vindo de um lugar de poder ou força para chegar lá.

A questão não é interpretar essas ideias de “níveis de consciência” literalmente. Em vez disso, entenda de onde você está operando. Faça o que for preciso para, com mais frequência, chegar ao ponto certo de onde você está vindo.

Você é um ser humano completo. Isto significa que você tem uma combinação de motivações.

Força não é “ruim”. Por si só, é apenas um paradigma a partir do qual as pessoas operam. Às vezes, você precisará usá-la. Muitas vezes, você não aprenderá lições úteis a menos que as use.

O objetivo final é o poder. Mas, você percebe que alcança o poder ao não buscá-lo em primeiro lugar. Você apenas sobe os níveis com mais sensação de facilidade.

Existem contradições e paradoxos em todo este post. Mas a vida também está cheia de contradições e paradoxos.

Posso ter certeza quando digo que é melhor você seguir viagem em vez de não fazer nada. Veja por si mesmo.

Veja se você pode se tornar poderoso.

Referência(s)

Ayoedji Awosika – Power Vs Force: How to Get What You Want Without Being Needy