Será que somos destruidores de heróis?

Share

Será que somos destruidores de heróis?

destruidores de heróis

por Ronaldo Lundgren.

A resposta a essa pergunta passa por entender quem somos.

A imagem que o povo brasileiro tem de si mesmo varia muito. Não há consenso. O Brasil é um dos países mais miscigenados do mundo.

Vários povos contribuíram na formação da nossa identidade. Os índios, os primeiros colonizadores (os portugueses) e imigrantes (franceses, holandeses, italianos, japoneses, alemães entre outros), e os negros vindos da África.(1)

A assimilação da nossa identidade ocorreu de modo a continuar dividindo a sociedade em superiores e inferiores de acordo com a raça.

O Brasil é um dos países mais miscigenados do mundo.

Positivas

Os brasileiros são conhecidos por transmitirem sua essência nas pequenas atitudes. Suas características não são nem um pouco homogêneas, pelo contrário, há uma grande diversidade no nosso povo.(2)

Algumas características positivas, que são facilmente reconhecidas por um estrangeiro no Brasil, são:

  • espontaneidade
  • alegria
  • irreverência
  • simpatia
  • expansividade
  • dinamismo

Outras características

Por outro lado, algumas outras características dificilmente são mencionadas. É preciso recorrer a Mário de Andrade:

“o brasileiro não tem caráter”. O autor completa:

E com a palavra caráter não determino apenas uma realidade moral, não. Em vez, entendo a entidade psíquica permanente, se manifestando por tudo, nos costumes na ação exterior no sentimento na língua na História na andadura, tanto no bem como no mal. (...). Dessa falta de caráter psicológico creio otimistamente, deriva a nossa falta de caráter moral.(3)

Para alguns estudiosos e historiadores que analisam o livro de Darcy Ribeiro (O Povo Brasileiro – A formação e o sentido do Brasil), uma das questões importante para entender porque o Brasil não deu certo é o fato de o brasileiro não se orgulhar totalmente de ser brasileiro.

Uma viagem e certo pecado capital

Viajando pelo interior da França, parei para conhecer Limoges.

O Imperador César Augusto, por volta do século 10 a.C., fundou a cidade. Diversos monumentos romanos foram construídos: termas, um anfiteatro, uma ponte de pedra, um fórum, um teatro, aquedutos subterrâneos, ruas no formato ortogonal e moradias luxuosas.

destruidores de heróisAo final do século XVIII, foi descoberta um tipo de argila especial, próprio para a produção de porcelana. Cem anos depois, a porcelana de Limoges começou a caminhada rumo ao reconhecimento internacional.

Mas não é apenas porcelana que Limoges oferece aos turistas.

A igreja de Saint Pierre du Queyroix é um ótimo lugar para se esconder para um pouco de paz no centro da cidade. Possui lindos vitrais com cores bonitas. Todas as partes da igreja são cheias de detalhes da história. Uma estátua de Joana d’Arc chama atenção pela riqueza de seus detalhes.

Quando a visitei, havia poucas pessoas em seu interior. Percorri a igreja para ver os altares e as imagens de santos que são verdadeiras obras de arte.

No fundo da igreja, me deparei com uma série de cartazes bem acabados, de design moderno, contrastando com todo o restante. Como tinha pouca claridade, demorou um tempo para entender do que se tratava.

7 pecados

Eram posters sobre os Sete Pecados Capitais. Bem feitos, modernos, sem aquele enfoque de acusação.

Um deles me lembrou de Ozires Silva: “será que  somos destruidores de heróis?“.destruidores de heróis

Inveja é o desejo de possuir um bem que pertence ao outro. É um sentimento de inferioridade e de desgosto diante da felicidade do outro. É um sentimento de cobiça da riqueza, do brilho e da prosperidade alheia.(4)

Inveja nos dá uma tristeza por querer aquilo que o outro possui. Uma tristeza por querer ser o outro.

Algumas pessoas, quando percebem que não conseguirão satisfazer sua obsessão, escolhem denegrir o outro.

Por que não temos um “Nobel” brasileiro?

Geralmente, as entrevistas do Programa Roda Viva, da Rede Cultura, são muito boas.

No dia 18/6/2018, o entrevistado foi o engenheiro Ozires Silva. Ele é um dos fundadores e ex-presidente da Embraer. Coordenador da equipe que produziu o avião Bandeirante, o primeiro avião de transporte projetado e produzido em série no Brasil. Ozires também presidiu a Petrobras, foi ministro da Infra-Estrutura e das Comunicações.

Por que um brasileiro ainda não ganhou o Nobel?

O Brasil não ganhou um prêmio por conta da ciumeira dos próprios brasileiros, que derruba os candidatos (“vocês destroem seus heróis”).

Quando aparece um candidato brasileiro, “todo mundo joga pedra”.

Comenta Ozires que a questão é que nós brasileiros tendemos a não apoiar os heróis, os grandes homens e mulheres que fazem a diferença pelo nosso país da devida forma. Isto é, apesar de se tornarem conhecidos, nós tendemos a criticar tudo quanto é feito de uma forma ou outra. Está no DNA brasileiro.(5)

Se várias pessoas, competentes em suas respectivas áreas, concorrem a um prêmio, é de se esperar que a população de seu país a apoie. Pelo jeito, nós jogamos pedras.

Considerações finais

Será que a “falta de caráter” apontada por Mário de Andrade é o que nos torna destruidores de heróis?

Será o ciúme, a inveja e a crítica mordaz que esvazia as candidaturas dos brasileiros ao Prêmio Nobel?

Será que somos destruidores de heróis? O que você acha?

Referência(s)

(1) (UOL – Vestibular)

(2) (SEBRAE)

(3) Mário de Andrade. Macunaíma, O Herói Sem Nenhum Caráter. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora Agir, 2007. p.217.

Fernando Castro de Campos Roriz. Características Morais do Povo Brasileiro e Seus Efeitos Sobre a Economia: Uma Análise de Macunaíma.

(4) Significados – Inveja.

(5) Quora – Por que o Brasil não tem Prêmio Nobel?

Autor: Ronaldo Lundgren

Possui graduação pela Academia Militar das Agulhas Negras; é Mestre em Estudos Estratégicos pelo US Army War College; e Doutor em Ciências Militares pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército.

Deixe uma resposta