Pressão no ambiente de trabalho

Share

por Alda Andrade.*

Pressao no Trabalho

A verdadeira medida de um homem não é como ele se comporta em momentos de conforto e convivência, mas como ele se mantém em tempos de controvérsia e desafio.

Horários rígidos a serem cumpridos e muitas vezes extrapolá-los; metas a cumprir; mercado de trabalho e sua competitividade; quadro de pessoal reduzido por conta da crise que atravessa o país; sem falar em chefes que não desenvolvem a empatia, não se sensibilizando com os problemas peculiares a todos nós.

Como lidar com essa pressão?

Adversidades como essas têm pungentes contribuições na eficiência de trabalho de qualquer pessoa. Aquelas pessoas que conseguem lidar com tais pressões tão adversas são aqueles profissionais que se destacam na eficiência de bons resultados, mesmo suportando tais entraves da vida moderna.

Sabemos que a competitividade pode gerar uma certa pressão no ambiente de trabalho, pois a obrigação de estar sempre demonstrando o seu potencial para manter-se em sua posição o faz ficar ansioso e estressado. E ainda como uma forma de avaliação de desempenho tem-se o cumprimento de metas e prazos que requer de você um desgaste psicológico e físico.

Cobranças abusivas de tais metas vindas tanto do empregador quanto de si mesmo repercutem em sua vida pessoal e contribuem para sintomas como: ansiedade, nervosismo, agitação, irritabilidade; alterações do apetite; alterações do sono; diminuição do apetite sexual; depressão; diminuição do bem-estar psicológico; perturbações psicossomáticas; agressividade; dificuldade de concentração; perda de memória; diminuição da capacidade de resolução de problemas; diminuição da autoestima; insatisfação com o trabalho; isolamento; desinteresse pela vida social; deterioração das relações sociais; e baixa imunidade.

As pessoas que passam cada vez mais tempo no trabalho excessivo estão sujeitas ao estresse e isso pode desencadear doenças autoimunes. Estes sinais são bem típicos e variam de pessoa para pessoa.

Evidencio a importância de evitar sofrer tais alterações organizando suas prioridades, de forma a corresponder à demanda de trabalho, avaliando o seu bem-estar profissional verificando se os seus valores são coerentes com os da sua empresa.

Em alguns casos, desafios e metas com produtividade reduzida deixam o profissional desmotivado, levando-o a uma insatisfação no trabalho, podendo ser um ponto de partida para o estresse.

Sugiro que a pessoa deva estar sempre atenta aos seus limites e ser sincera aos superiores sobre tais limites. Isto intermeia uma aproximação e, consequentemente, uma demonstração de sua honestidade perante seus superiores. “Estabelecer um limite é essencial para não arrebentar a corda e adoecer”.

‘’Válvulas de escape” devem ser abstraídas para aliviar as tensões e devem ser praticadas. O lazer é muito recomendado nessas ocasiões: praticar esportes, ouvir músicas, passeios com familiares e animais, conversas com amigos, brincar com filhos, são algumas sugestões para se quebrar a rotina da semana.

Ter um estilo de vida saudável, como um sono reparador, isto também propicia uma resistência às batalhas diárias no ambiente de trabalho.

Mesmo sendo uma realidade, é fato que nem todo profissional consegue lidar bem com a pressão. Pessoas menos experientes estão mais propensas a “entrarem em parafuso” quando o ambiente de cobrança começa a pesar. Dependendo muito de cada profissional, pessoas mais experientes, que têm domínio da sua área de atuação, conseguem administrar melhor o tempo e se planejar melhor para suportar isso.

De acordo com os especialistas, quem está se sentindo no olho do furacão pode adotar algumas estratégias para tentar lidar de forma mais saudável com a pressão. Isso porque a cobrança é contínua, os prazos vão se expirar e a tendência, infelizmente, é de mais pressão vindo por aí.

Sejam confiantes.

Entrega o teu caminho ao Senhor, confia nele, e o mais ELE fará.” (Salmo 37, verso 5).

“Os que esperam no Senhor renovam suas forças.” (Isaías 40, verso 31)


(*) Alda Andrade (Psicóloga)

Autor: Ronaldo Lundgren

Possui graduação pela Academia Militar das Agulhas Negras; é Mestre em Estudos Estratégicos pelo US Army War College; e Doutor em Ciências Militares pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército.

Deixe uma resposta