O pensamento crítico e a mudança de rotina

Share

por Ronaldo Lundgren.

O pensamento crítico e a mudança de rotina

“A rotina é a tradição corrompida, deturpada e morta, ao passo que a tradição é a conservação do passado vivo. É a luta contra a morte do passado. É a entrega, a uma geração, dos frutos da geração passada. Separar o que merece durar. Deixar sair o que merece perecer”. (Marechal Humberto de Alencar Castello Branco)

O experimento com os 5 macaquinhos ilustra como a rotina corrompe uma organização. Confira no vídeo abaixo.

Como separar rotina de tradição

Como separar o que merece continuar daquilo que prejudica uma organização?

Em 1978, o Doutor Afonso Carlos Correa Fleury cunhou o termo rotinização para explicar porque as empresas preferem manter o controle social na fábrica, evitando a eclosão de conflitos. Por sua vez, ainda nos anos 1980, Mario Sergio Salerno destaca que “os Centros de Decisões sacrificam a eficiência para evitar problemas com a mão-de-obra”.

Mas o mundo gira. Se no século passado as empresas optavam  pelo bom clima organizacional, nos dias atuais elas também querem a inovação.

A sociedade muda a todo instante. Não mais na lentidão da época industrial. As empresas se transformam. Buscam novas ideias. Achiles Rodrigues resume bem o nosso tempo:

Vivemos em uma era de transformações tecnológicas exponenciais — alta conectividade; mobilidade, inteligência artificial, internet das coisas, robótica, realidade virtual, realidade aumentada, drones transportando pessoas, automação, ufa!!!

Nunca foi tão importante pensar de forma disruptiva...

Toda essa revolução tecnológica e de automação influencia diretamente mudanças sociais e culturais. Aquilo que funcionou no passado já não funciona mais, basta dizer, por exemplo, que hoje, 60% dos jovens estão aprendendo profissões que vão deixar de existir nos próximos 10 anos.

Como pensar de forma disruptiva? É possível preparar sua equipe para pensar criticamente? Sem comprometer a disciplina na sua organização?

O que é pensar criticamente

Pensar criticamente é:

  • decidir racionalmente no que acreditar ou não acreditar;
  • usar nosso pensamento racional e ponderado para obtermos melhores resultados nas atividades que desenvolvemos; e
  • saber jugar proposições, argumentos e opiniões e, através da investigação ativa, obter justificações para nossas decisões e crenças. 
Os 7 sábios e o elefante – interpretações limitadas

O portal Universia afirma que “Todas as pessoas possuem um histórico de vida. Cada indivíduo passou por experiências e situações diferentes, além de terem crenças, medos e objetivos distintos. Quando um mesmo problema é apresentado para várias pessoas, é normal que cada uma delas o interprete de uma maneira e proponha resoluções diferentes. Isso acontece por causa do jeito único que cada um de nós tem”.

É provável que você já tenha evitado expor sua opinião por receio de parecer diferente, fora do grupo. É até comum esse tipo de atitude em uma empresa.

Imagine-se em uma reunião decisória. É raro admitir-se que os participantes sigam processos diferentes para a tomada de decisão. Mas eles também carecem de críticas.

Para solucionar um problema, pense criticamente. Para isto, “afaste-se” dele. Seja racional.

Afastar-se do problema e ser racional exige que você coloque suas crenças em uma gaveta próxima. Dê-se uma chance para receber outros pontos de vista, outras opiniões. A capacidade de agir assim é conhecida como pensamento crítico.

Para a especialista Giedre Vasiliauskaite, (*) professora do Master in Consultancy and Entrepreneurship de Rotterdam, “Pensar criticamente é uma qualidade importante. De forma resumida significa que, antes de tomar uma decisão, o indivíduo pensa bastante e questiona certezas (próprias e dos outros). Desconfia do que parece óbvio. Abre-se para novas perspectivas e consegue apresentar suas ideias e argumentos, verbalmente ou por escrito, de maneira lógica e clara”.

Como pensar criticamente

O pensamento crítico pode ser visto como tendo dois componentes:

  1. um conjunto de habilidades de produção e processamento de informações, além das crenças; e
  2. o hábito, baseado no compromisso intelectual, de usar essas habilidades para orientar o comportamento.

Desenvolver um conjunto de habilidades e adquirir o hábito de usar essas habilidades não é difícil. Embora, quando se pergunta como conseguir isso, as respostas são vagas.

Debora Santille entende que isto acontece porque algumas pessoas “acreditam que o pensamento crítico não pode ser ensinado de forma isolado, que só pode ser desenvolvido em um contexto do longo prazo“.

Continuando, Debora sugere uma estrutura com quatro áreas-chave:

  • Argumentação
  • Lógica
  • Psicologia
  • A natureza da ciência

Argumentação

A argumentação é uma poderosa ferramenta para aprender a pensar bem. Argumentar exige um trabalho intelectual primoroso. Apresentar suas ideias com suporte em dados concretos, de maneira compreensível para seus interlocutores, é a primeira competência a desenvolver.

Discutir, ao invés de simplesmente discordar, indica um engajamento intelectual problemático. Mostra uma pessoa com a intenção de consolidar sua posição, sem compromisso com a solução do problema.

Daí a importância da argumentação. Dominar esta competência reduz as discussões no trabalho.

Lógica

A lógica é fundamental para a racionalidade. É difícil ver como você pode valorizar o pensamento crítico sem abraçar a lógica.

Usando a lógica de uma forma defeituosa acarreta falácias de raciocínio. Essas falácias são famosas por conter erros lógicos, como:

  • raciocínio circular
  • a falácia falsa
  • o apelo à opinião popular.

Aprender um pouco de lógica é central para o desenvolvimento do pensamento eficaz.

Psicologia

Estudos na área da neurociência comprovam que o nosso cérebro é plástico. Miguel Lucas entende que “Esta neuroplasticidade refere-se à capacidade do cérebro para modificar a sua estrutura e função, em decorrência de experiências anteriores”. Esta nova ciência revela o nosso extraordinário potencial de transformar a nós mesmos.

Os processos relativos ao pensamento envolvem não apenas a cognição, mas também aspectos de outra natureza, como afetivos e as crenças incorporadas ao longo do tempo.

Segundo Cristina Satiê (*), “as crenças pessoais, ao fazerem parte da individualidade do sujeito, passam a influenciar o próprio funcionamento mental e a organização do pensamento, atuando juntamente aos processos cognitivos”.

Ao contrário do que se pensa, as pessoas não têm o controle da tomada de decisão. As suas crenças influenciam com tanta intensidade que decidem sem considerar outras hipóteses. Isso não quer dizer que elas são falhas. Apenas significa que elas não se abrem a novos pontos de vista.

Para realizar o pensamento crítico, é importante saber que é possível pensar sem estar preso às próprias crenças. Voltando a Miguel Lucas, ele destaca que a “forma prática de realizarmos este processo é tomar consciência da forma como queremos pensar e agir e orientarmo-nos a nós mesmos, forçando-nos a desenvolver um padrão mental que suporte aquilo que queremos passar a ser”.

Prosseguindo, Lucas orienta que a atenção dedicada a qualquer assunto é o “método eficaz para conseguirmos orientar os nossos pensamentos. […] A atenção é a capacidade de dirigir a nossa concentração para algo que escolhemos focar-nos. A forma mais simples de realizar este processo é focando a atenção na respiração”.

A natureza da ciência

Ajuda a pensar criticamente conhecer, pelo menos um pouco, sobre a natureza da ciência. Possuir um conhecimento geral, os assuntos que são tendências no momento, um pouco de estatística também.

Aprender sobre quais são as diferenças entre hipóteses, teorias e leis, por exemplo, contribui para que as pessoas  entendam porque a ciência confere credibilidade.

Compreender o uso da estatística em muito auxiliará na forma de pensar criticamente. As pessoas se sentirão mais capacitadas para lidar com questões difíceis ou complexas.

Essas noções de ciências e estatística, bem como o conhecimento geral, auxiliam na predisposição em considerar outras opiniões. Ajudam também, na formulação de argumentos consistentes.

Considerações finais

A linguagem de raciocínio incorporado dentro de tudo isso é a linguagem do nosso pensamento. Ensinar a pensar é possível. O pensamento crítico pode ser estudado e ensinado em parte como processos físicos.

Conhecimentos gerais, questões de atualidade e meios de comunicação fornecem uma montanha de combustível para a usina cognitiva. Conceitos gerais de argumentação e lógica são facilmente transferíveis entre os contextos de uma situação.

Aprender uma metodologia para pensar criticamente limita o pensamento crítico. Claro que adotar uma metodologia vai ajudar. Principalmente, no começo da capacitação dos funcionários. Mas depois, é necessário estimular o aprofundamento no estudo e na prática deste tipo de pensamento.

Referências

(*) Viviane Zandonadi – Cinco dicas para exercitar o pensamento crítico.

The Foundation for Critical Thinking

Cristina Satiê de Oliveira Pátaro. Pensamento, crenças e complexidade humana.

Autor: Ronaldo Lundgren

Possui graduação pela Academia Militar das Agulhas Negras; é Mestre em Estudos Estratégicos pelo US Army War College; e Doutor em Ciências Militares pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército.

Deixe uma resposta