Pensamento adaptativo: a Mecânica Mental para o Alto Desempenho

Share

Pensamento Adaptativo: a Mecânica Mental para o Alto Desempenho

Ou, como pensar como um piloto de Top Gun

de Nick Wignall(*)

Pensamento Adaptativo: a Mecânica Mental para o Alto Desempenho

Foto de Cibi Chakravarthi

Em 1968, no auge da Guerra do Vietnã, os pilotos de caça da Marinha dos EUA começaram a perder terreno para os pilotos norte-vietnamitas.

Durante os anos anteriores, os americanos haviam abatido cerca de duas aeronaves norte-vietnamitas por cada uma que perderam. Mas nos primeiros meses de 1968, a proporção caiu para 1: 1.

Este foi o ímpeto para a criação da famosa escola Top Gun. Os melhores pilotos de caça da Marinha dos EUA treinaram para voar e lutar como pilotos inimigos. Também serviram como instrutores para novos pilotos de caça.

Os resultados do programa de treinamento Top Gun foram impressionantes. No início dos anos 70, os pilotos americanos estavam abatendo pouco mais de 12 aeronaves inimigas para cada uma que eles perderam. Uma relação extremamente melhorada de 12: 1.

Criticamente, o sucesso do programa de treinamento Top Gun está na aplicação dos princípios da Prática Deliberada. Especialmente, uma abordagem específica para os aspectos mentais do alto desempenho chamado Pensamento Adaptativo.

Como o pensamento adaptativo leva ao alto desempenho

Segundo o psicólogo e pesquisador Anders Ericsson, o Pensamento Adaptativo envolve a capacidade de

“reconhecer situações inesperadas, rapidamente considerar várias respostas possíveis e decidir sobre a melhor resposta”.

Como você pode ver, essa habilidade é fundamental para o desempenho de alto risco, como pilotos de caça em um duelo aéreo.

Embora a maioria das pessoas com níveis adequados de habilidade e competência possa ter bom desempenho em circunstâncias de rotina, é a capacidade de atuar em alto nível em situações imprevisíveis ou estressantes que separam os profissionais verdadeiramente especializados.

Pense no neurocirurgião que pode se adaptar rapidamente a um inesperado sangramento cerebral no meio de um procedimento.

Ou o advogado que pode modificar seus argumentos e estratégias diante de evidências ou depoimentos inesperados num tribunal.

A capacidade de ter um bom desempenho nos níveis mais altos requer a habilidade não apenas de pensar bem, mas de pensar de maneira flexível e rápida.

Em outras palavras, pensar de forma adaptativa.

Algumas pesquisas sobre como os profissionais de alto desempenho trabalham identificaram três componentes principais do Pensamento Adaptativo:

  • Planejamento eficaz
  • Monitoramento cuidadoso do progresso
  • Capacidade de mudar, de forma flexível, o pensamento e o comportamento para acomodar mudanças circunstanciais

A seguir, serão apresentados três exercícios específicos para melhorar o Pensamento Adaptativo e reforçar seu desempenho em qualquer área.

Como melhorar seu pensamento adaptativo

O Pensamento Adaptativo não é apenas para pilotos de combate e neurocirurgiões.

Qualquer pessoa pode aprender a aproveitar o poder do Pensamento Adaptativo. E assim, melhorar seu desempenho na área que considere importante.

Se você quer se tornar mais proficiente em tocar guitarra, fechar uma venda, investir em startups ou se comunicar com seu cônjuge, exercitar suas habilidades de Pensamento Adaptativo irá ajudá-lo a ir de simplesmente bom para a excelência.

Cada um desses exercícios é baseado em um dos três ingredientes do Pensamento Adaptativo – Planejamento, Monitoramento e Flexibilidade Cognitiva.

Se você praticá-los de forma consistente, estará no caminho certo para melhorar o desempenho.

1. Estabelecer uma rotina de visualização negativa

Os exercícios de visualização e de imaginação guiada são um componente essencial para o treinamento de esquemas de alto desempenho. Especialmente para atletas.

A prática básica é imaginar e ensaiar o desempenho desejado com o máximo de detalhes possível antes de você realmente tentar. Procure trazer tantos detalhes sensoriais quanto possível.

Um dos principais benefícios das práticas de visualização positiva é que elas solidificam e esclarecem suas representações mentais da habilidade desejada.

Ter uma imagem mental detalhada e nítida de como seu desempenho deve ser ajuda a perceber quando você está se desviando, permitindo ajustes mais rapidamente.

Enquanto esses exercícios de visualização positiva são poderosos, também há lugar para a Visualização Negativa. Ou seja, visualizar possíveis obstáculos ou contratempos que possam surgir durante uma atividade.

Uma rotina de visualização negativa tem duas partes:

Gere uma lista de possíveis obstáculos ou contratempos imprevistos que podem ocorrer durante o desempenho.

Pratique a visualização e ensaie o desempenho em sua mente. Durante cada sessão de prática, trabalhe em um dos obstáculos. Visualize como pode se sentir em resposta a ele e qual reação você faria.

Suponha que você esteja se visualizando fazendo uma apresentação importante.

Embora você queira ter uma imagem de seu desempenho ideal, também é vantajoso antecipar potenciais obstáculos como perguntas incomuns, comentários desafiadores, dificuldades técnicas, etc.

Isso não apenas ajudará você a permanecer calmo e focado se um desses  obstáculos surgirem, mas também terá antecipado uma solução.

Para começar a usar uma Visualização Negativa, comece por adquirir o hábito de fazer exercícios antes de atividades mais simples.

Por exemplo, se o objetivo for estabelecer uma rotina de Visualização Negativa para aumentar o desempenho durante reuniões de vendas com clientes em potencial, comece estabelecendo a rotina antes das reuniões semanais com seu supervisor ou gerente.

2. Deep Work Sprint – Trabalho Profundo para Melhorar Sua Capacidade de Foco

O segundo ingrediente do Pensamento Adaptativo é a capacidade de monitorar cuidadosamente seu progresso durante uma atividade.

Esta habilidade depende em parte do desenvolvimento de boas representações mentais do desempenho desejado, como discutimos acima.

Porém, a parte mais importante do monitoramento do seu desempenho é a capacidade de se concentrar com atenção total.

Como as tarefas de alto desempenho são tão exigentes cognitivamente, há pouco espaço mental de sobra. Isto é, seu desempenho é especialmente vulnerável à distração.

Sem habilidade para focar e se concentrar por longos períodos de tempo, é quase impossível realizar a tarefa e, simultaneamente, monitorar seu desempenho.

A melhor maneira de cultivar essa habilidade para ter um foco intenso e sustentado é o Trabalho Profundo.

Deep work

O Deep Work é uma ideia desenvolvida por Cal Newport. Ela é definida como

“Atividades profissionais realizadas em um estado de concentração livre de distrações que levam suas capacidades cognitivas ao limite”.

A frase chave é empurrar suas capacidades cognitivas ao seu limite.

A fim de realmente melhorar sua capacidade de concentração, você deve trabalhar em um nível suficientemente alto para que suas habilidades de atenção sejam realmente desafiadas e forçadas a crescer e se adaptar a um nível mais alto de realização.

Para fazer isso, recomendo começar com o que chamo de Deep Work Sprints. Exercícios curtos no Deep Work realizados frequentemente.

Como um exemplo, vejamos como melhorar sua capacidade de falar em público.

Para fazer isso de forma eficaz, você deve desenvolver a capacidade de concentração.

Assim, pratique fazendo pequenas partes de uma apresentação com a máxima atenção por curtos períodos de tempo.

Você pode, por exemplo, treinar com dois ou três slides da sua apresentação e tentar manter todo o seu foco na sua capacidade de fazer uma transição suave entre eles. É preferível escolher uma atividade relativamente breve porque, no início, sua capacidade de foco não estará bem desenvolvida.

Repita este “sprint” até que não seja mais difícil manter seu foco por tanto tempo. Em seguida, escolha outra seção da apresentação que seja um pouco mais longa e pratique Deep Work Sprints com ela.

Dessa forma, você aumentará sua capacidade de manter altos níveis de foco e concentração. O que será fundamental para a capacidade de monitorar seu próprio desempenho e fazer ajustes conforme necessário.

3. Exercite seu músculo pensador divergente

O terceiro e último ingrediente do Pensamento Adaptativo é a capacidade de mudar de maneira flexível o seu pensamento e comportamento para acomodar mudanças inesperadas em seu ambiente.

Infelizmente, a maioria de nós não foi treinada para fazer isso.

Ao longo de décadas de escola e treinamento profissionalizante, a maioria de nós é ensinada a pensar de uma forma específica chamada Pensamento Convergente. Isso significa pegar um problema por vez e descobrir qual é a solução correta:

  • Resumir um livro para o professor
  • Resolver uma equação diferencial em cálculo
  • Obter um novo cliente para o seu produto

Todos esses são exemplos de pensamento direcionados para uma resposta ou resultados únicos. Embora essa habilidade seja importante, muitas vezes esquecemos de seu gêmeo, o Pensamento Divergente.

O que é pensamento divergente

Pensamento divergente é a capacidade mental que sustenta a criatividade.

Envolve a geração de várias soluções ou possibilidades com base em um único ponto de dados ou ideia:

  • Esboçando ideias de como estruturar um ensaio ou livro
  • Inventando um novo dispositivo para melhorar o fluxo sanguíneo e reduzir a placa bacteriana nos vasos sanguíneos
  • Compor uma nova música

É claro, todos nós usamos o Pensamento Divergente até certo ponto. Mas para a maioria, é uma habilidade bem menos desenvolvida.

Esta capacidade mental permite nossa rápida adaptação a mudanças inesperadas durante uma atividade, que é a marca do Pensamento Adaptativo:

+ Como você responde durante uma venda quando um cliente menciona um problema que você não considerou?

+ Como a principal questão do argumento de um advogado muda, dada uma evidência inesperada?

Para desenvolver nossa capacidade de Pensamento Divergente, há vários exercícios e rotinas que considero úteis:

O exercício muitos usos. Essa tarefa envolve usar objetos comuns de maneiras diferentes, pensando “fora da caixa”.

10 novas ideias. Com base no livro “Como se tornar uma máquina de ideias”, de James Altucher, esse exercício cria o hábito de gerar novas ideias diariamente.

Manchetes diárias. Um exercício fascinante para flexionar simultaneamente as habilidades de Pensamento Divergente e Convergente.

Criticando artigos. Essa técnica envolve a construção do hábito de criticar artigos que você lê e gerar linhas alternativas de argumentação ou contra-argumentação.

Automático para pensamentos alternativos. Este exercício é especificamente útil para criar flexibilidade na maneira como pensamos e falamos conosco, isto é, aprendendo a mudar nossa conversa interior.

Resumo e conclusão

O Pensamento Adaptativo é a capacidade de

“reconhecer situações inesperadas, considerar rapidamente várias respostas possíveis e decidir sobre a melhor”.

É uma capacidade essencial para ter alto nível de rendimento.

Existem três componentes para o Pensamento Adaptativo que podem ser cultivados individualmente:

  • Planejamento eficaz
  • Monitoramento cuidadoso do desempenho
  • A capacidade de mudar de forma flexível o pensamento e o comportamento para acomodar mudanças circunstanciais

Você pode melhorar sua capacidade de atuar nos níveis mais altos de qualquer atividade, treinando o Pensamento Adaptativo.

A melhor maneira de fazer isso é segmentar cada um de seus subcomponentes com exercícios personalizados.

Três exercício estão neste artigo:

  1. Visualização Negativa
  2. Sprints de Trabalho Profundo
  3. Pensamento divergente

Referência(s)

Nick Wignall – Adaptive Thinking: The Mental Mechanics of High-Performers

Autor: Ronaldo Lundgren

Possui graduação pela Academia Militar das Agulhas Negras; é Mestre em Estudos Estratégicos pelo US Army War College; e Doutor em Ciências Militares pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército.

Deixe uma resposta