O que torna um líder eficaz?

Share

por Ronaldo Lundgren.

O que torna um líder eficaz?

Como formar a próxima geração de líderes

o que torna um líder eficaz

A liderança faz a diferença. E ela é boa quando um líder consegue nos inspirar. Quando ele nos empolga ou até mesmo quando temos autonomia para trabalhar. Embora seja fácil identificar uma boa liderança, é mais difícil responder a esta pergunta: “O que torna um líder eficaz?“.

A eficácia de um líder começa com ele próprio. Todos conhecemos uma série de capacidades relacionadas ao líder. Ele precisa construir boas redes de relacionamento. Também precisa inovar. E não basta orientar como fazer, ele precisa executar. Outras capacidades envolvem:

  • formar equipes;
  • gerenciar pessoas;
  • comunicar;
  • ter bom senso;
  • agir com inteligência emocional; e
  • ter um caráter ilibado.

Seus colaboradores esperam que você deixe claro o que deseja que eles saibam e façam. Mesmo sem esgotar o rol de capacidades, você deve ajudar outros a liderar.

É comum identificar líderes que possuem algumas dessas características. Normalmente, eles priorizam um grupo delas. Muitos seguem modismos, sem garantir o sucesso de sua liderança. No entanto, existe algo de comum entre os líderes? Se há, é possível reuni-los em um modelo?

Modelo comum a todos os líderes

Será que existe um modelo de conhecimento, habilidades e valores comuns a todos os líderes eficazes? Para responder a esta pergunta, é importante conhecer a sua evolução histórica. O fato de a liderança evoluir com o tempo, onde cada novo estágio surge com base no estágio anterior, é confirmado por estudos sobre o tema.

Esta evolução caminhou ao longo da seguinte estrada:

  • identificação das principais características físicas do líder;
  • o estilo de liderança;
  • a situação vivida determina a maneira de liderar;
  • as competências são fatores fundamentais para o exercício da liderança;
  • os resultados são mais importantes do que as competências; e
  • o comportamento dos funcionários reflete a marca da liderança.

Durante esta evolução, inúmeros livros foram escritos. Diversas teorias foram propostas. Um sem número de pesquisas foram realizadas. Do estudo de todo esse material, verificou-se que a liderança envolve duas partes principais. A primeira considera que os líderes possuem, entre 60 a 70%, de  comportamentos comuns. E a segunda afirma que, os 30 a 40% restantes, são compostos pelos diferenciadores (*). Ou seja, o que diferencia são a estratégia e a visão da empresa, bem como os requisitos específicos de cada tarefa.

Os 70% de comportamentos comuns

Os comportamentos comuns aos líderes foram estruturados por Dave Ulrich (e outros) no livro Definindo o Código da Liderança. Para os autores, tais comportamentos se estruturam em duas dimensões:

  1. Tempo; e
  2. Atenção.

Por que tempo? Porque os líderes eficazes conseguem agir tanto no curto prazo quanto a longo prazo”. Os autores identificaram que os líderes eficazes planejam o futuro. Também, que definem o contexto em que a empresa e o seu pessoal vencerão.

Esse planejamento do futuro “pode assumir a forma de uma visão, intenção, propósito, missão, estratégia, meta, objetivo ou plano”. Os autores consideram ainda, que “os líderes criam uma imagem confiável e otimista de um futuro” para todos aqueles que se relacionam com a empresa. Os líderes estabelecem uma relação entre o futuro e o presente, transformando aspirações em ações.

Por que atenção? Porque “os líderes eficazes sabem quando precisam se concentrar na construção da empresa e de suas capacidades e quando precisam mudar o foco para os indivíduos e as suas habilidades. Também conseguem combinar esses dois aspectos”.

Por vezes, os líderes dedicam sua atenção aos talentos de seus colaboradores. Com isso, formam equipes de estrelas. Em geral, tais equipes, não conseguem superar equipes de alto desempenho. Portanto, é tarefa do líder transformar os talentos individuais em capacidades empresariais.

Em termos de indivíduos, é importante que o líder defina seu modelo, de forma a ser percebido e adotado pelos colaboradores. Afinal, a liderança começa pelo próprio indivíduo. Quem tem autocontrole terá melhor condição de liderar.

E agora, o que fazer?

Líderes precisam formar novos líderes. As competências de liderança representam as habilidades e o conhecimento. Também, representam a perspectiva necessária para que os líderes façam a passagem rumo à alta liderança.

Dave Ulrich defende que o caminho de preparação de novos líderes tem como farol:

  • O coaching fornecido pelo gerente direto do líder;
  • Rotatividade no trabalho e designação de tarefas; e
  • Aprendizado em ação.

No entanto, para alcançar o resultado desejado, é fundamental o acompanhamento de perto. Para sustentar a liderança ao longo do tempo, um processo de acompanhamento deve ser estruturado. Só assim será possível que as práticas empresariais estejam alinhadas para o sucesso.

Referência(s)

(*) Este post tomou por base o livro de Dave Ulrich, Norm Smallwood, Kate Sweetman: O Código da Liderança – Editora BestSeller.

Autor: Ronaldo Lundgren

Possui graduação pela Academia Militar das Agulhas Negras; é Mestre em Estudos Estratégicos pelo US Army War College; e Doutor em Ciências Militares pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército.

Deixe uma resposta