Como dominar suas emoções

Share

Para alcançar seu potencial, você deve aprender a dominar suas emoções

como dominar suas emoções

Uma introdução à arte do gerenciamento de emoções

por Nick Wignall(*)

Aqui está uma opinião impopular: a maioria dos nossos problemas com produtividade tem muito pouco a ver com ferramentas, técnicas ou até ideias.

Pense um pouco: temos mais acesso a boas ideias e técnicas para sermos produtivos do que nunca. No entanto, parece que estamos sempre lutando para fazer as coisas.

Este é certamente o meu caso:

Tenho pelo menos 4 aplicativos de gerenciamento de tarefas diferentes no meu telefone, mas ainda procrastino quase todos os dias.

Eu sei que, dificilmente, um email importante tenha chegado para mim desde a última vez que verifiquei há dois minutos. Mas, eu verifico meu e-mail de qualquer maneira.

Já li dezenas de livros sobre produtividade e organização pessoal. Porém, ainda perco tempo com tarefas sem importância e ignoro as mais importantes.

Comprei vários cadernos, organizadores, planejadores e outros materiais artesanais de produtividade, nenhum dos quais faz meu trabalho ser concluído mais rápido ou melhor.

O que está acontecendo aqui?

Acho que parte do problema é a distração digital.

Nos últimos 15 anos, a frequência e a intensidade das distrações em nossas vidas explodiram. Principalmente graças ao smartphone sempre conectado, com sua infinita oferta de entretenimento barato.

Mas não acho que seja a única fonte de baixa produtividade, ou mesmo a mais importante.

Depois de muita introspecção e anos como terapeuta ajudando as pessoas a superar suas lutas com procrastinação e baixa produtividade, cheguei a uma grande conclusão:

o maior obstáculo à produtividade é o mau gerenciamento de emoções.

O que é gerenciamento de emoções, exatamente?

Gerenciamento de emoções é como você reage quando é atingido por emoções fortes.

  • Como você lida com um pico súbito de ansiedade?
  • Qual é a sua estratégia quando você está se sentindo deprimido?
  • Quais pensamentos automáticos surgem quando você é criticado?

Se essas perguntas o deixarem desconfortável, você não está sozinho.

Embora a maioria de nós tenha sido treinada desde criança a cultivar táticas eficazes para administrar ideias intelectuais, saúde física, finanças ou até mesmo outras pessoas, quase ninguém aprende formalmente como administrar suas emoções.

Na verdade, a maioria de nós não aprende muito sobre o lado emocional.

O que aprendemos tende a ser uma imitação inconsciente do que vemos como crianças. Em outras palavras, fazemos o que nossos pais faziam quando ficavam estressados, ansiosos, loucos etc.

Tudo isso para dizer que nossas habilidades de gerenciamento de emoções são muito rudimentares e sem sofisticação. Provavelmente, apenas ignoramos ou recorremos a um remédio.

Novamente, isso não é surpreendente, dado o estado empobrecido de educação emocional e treinamento em nossa sociedade. Mas isso é um problema.

Em áreas tão diversas como cuidados de saúde, criação de filhos e investimentos, as emoções difíceis são obrigadas a aparecer.

Nosso sucesso a longo prazo em qualquer área importante da vida depende da nossa capacidade de gerenciar efetivamente nossas emoções. Especialmente as grandes e assustadoras. A produtividade pessoal não é exceção.

Como a má gestão das emoções sabota o nosso desempenho

Como um exemplo de como o fraco gerenciamento de emoções prejudica nossa produtividade e desempenho, vamos falar da procrastinação.

Se formos honestos conosco mesmos, todos lidaremos com a procrastinação em nosso trabalho de vez em quando.

O que é menos óbvio é por que isso acontece. E continua acontecendo apesar de todos esses grandes livros que continuamos lendo.

Por exemplo, eu procrastinei ontem ao escrever este artigo. Sentei à mesa e abri meu computador. Escrevi algumas frases, mas não gostei. Apaguei e tentei novamente. Depois de mais uma sequência de parágrafos, não estava mais me sentindo tão entusiasmado. Então abri o e-mail, distraído, e não voltei ao artigo.

Embora eu escreva sobre barreiras emocionais à produtividade o tempo todo – e estava literalmente escrevendo um artigo sobre esse mesmo tópico! – não passou pela minha cabeça que algo psicológico foi a causa da procrastinação.

Meu grande erro foi:

sentar para trabalhar em algo importante sem estar ciente do fato de que posso sentir o desejo de procrastinar.

Mesmo que eu saiba que minha mente muitas vezes me engana quando escrevo, por não estar alerta para isso, deixei ser enganado.

Então, quando comecei a escrever novamente, fiz questão de acompanhar o que minha mente estava fazendo. Veja só:

  • Enquanto eu analisava algumas frases e as lia, minha mente dizia “isso não funciona”, seguido por um pouco de desapontamento.
  • Tentei com uma abordagem diferente. Depois de uma breve pausa, pude ouvir minha mente dizendo “isso não é uma boa ideia para um artigo …”, seguido por mais desapontamento. E também, uma dose considerável de ansiedade.
  • Voltei a digitar. Mas a mente divagou com “pare de perder tempo e apenas faça algo diferente”. Seguiu ainda mais ansiedade e alguma frustração.
  • Nesse ponto, havia um pouco de emoção desconfortável e negativa acontecendo. Curiosamente, quanto maior o meu nível de desconforto emocional, mais comecei a perceber e pensar em distrações: me vi olhando para o telefone, pensando no que meus amigos falavam nas redes, sentindo o desejo de pular para a ESPN e verificar os resultados da noite passada, etc. Era como se minha mente estivesse tentando me fazer sair da situação atual porque era muito desconfortável.
  • Mas não saí. E não chequei meu telefone. Pude empregar uma técnica que recomendo aos meus clientes o tempo todo: reconheci que não me sentia bem sobre o artigo. Lembrei de que era normal sentir-me ansioso e desanimado ao escrever. Depois coloquei meus dedos de volta no teclado e continuei.
  • Desta vez as coisas começaram a fluir. Encontrei uma abordagem que funcionou e foi capaz de continuar trabalhando por 45 minutos ou mais. Terminei um rascunho sem mais interrupções significativas da minha mente.

Então, o que isso nos diz sobre produtividade, procrastinação e gerenciamento de emoções?

Algumas observações:

  1. Falta de atenção ou falta de autoconsciência é sempre o Inimigo Número 1. Se você não está vigilante – especialmente durante tarefas difíceis – é provável que suas emoções tirem o melhor de você. Por outro lado, se você ficar atento a sua própria mente e emoções durante tarefas desafiadoras, terá uma chance muito maior de gerenciar e acompanhar seu trabalho.
  2. A mente sempre resistirá ao trabalho desafiador. Isso não significa que algo está errado. De fato, por causa de nossa herança evolucionária, sua mente deliberadamente tenta conservar energia mental e física. Então, quando sentir uma mensagem negativa empurrando você para desistir, ou procrastinar, não se culpe. O desejo de procrastinar é normal.
  3. O que levou a minha procrastinação no primeiro exemplo foi uma emoção negativa e desconfortável. Isto é, ao procrastinar, eu estava obtendo alívio rápido da emoção desconfortável gerada por minha conversa interna bastante crítica e cética.
  4. Especialmente com trabalhos criativos e exigentes como a escrita, as soluções não estarão disponíveis o tempo todo. É normal que demore um pouco para aparecerem. Nesse sentido, a procrastinação é uma forma de impaciência que diz que, se você não está conseguindo imediatamente, isso significa que é impossível. O que é um absurdo. Desde que tenhamos a presença de espírito para ver o que nossa mente e emoções estão tentando fazer e estarmos dispostos a superá-las.
  5. Finalmente, este exemplo ilustra que a procrastinação não é uma doença ou falha de caráter. O desejo de escapar de uma emoção desconfortável como resultado de um trabalho desafiador é perfeitamente normal. Por estar mais consciente da nossa mente e emoções, podemos ver a procrastinação pelo que é – um conjunto bastante simples de mecânicas mentais-emocionais – e ficarmos menos vulnerável a ela.

Para resumir:

tenho a tendência de procrastinar. E dificuldade para fazer meu trabalho quando não estou prestando atenção a minha própria mente e emoções. Por outro lado, quando me lembro de acompanhar meus pensamentos e administrar bem minhas emoções, a procrastinação ainda surge, mas ela é muito menos potente e mais fácil de superar.

Isto é verdade para a procrastinação. Mas é válido para outros desafios como perfeccionismo, distração digital, preocupação, ruminação e muitos outros. Se você está sempre lutando para trabalhar bem, há uma boa chance de que o gerenciamento de emoções ruins esteja no centro disso.

Como dominar suas emoções e melhorar suas habilidades de gerenciá-las e aumentar sua produtividade

O gerenciamento de emoções é um desafio enorme. E fazê-lo bem depende de diferenças pessoais (personalidade, história), suas lutas únicas (procrastinação, perfeccionismo) e o tipo de trabalho (escrita, falar em público).

Dito isto, existem alguns princípios gerais de gestão de emoções que são benéficos, independentemente dos detalhes da sua situação.

1. Preste atenção ao seu auto-falar

A cognição sempre precede a emoção. Em termos práticos, isso significa que, se sua produtividade está sendo prejudicada pela emoção negativa, há uma conversa interna sutil, mas poderosa, operando nos bastidores. Aprender a identificar sua auto-fala e depois mudar seus hábitos inúteis de pensar é uma parte importante do gerenciamento eficaz das emoções.

2. Melhore seu vocabulário emocional

A maioria de nós tem consciência emocional relativamente fraca pelo simples fato de não termos um vocabulário e uma estrutura sofisticados para sequer pensarmos sobre nossos estados emocionais. Ao expandir e refinar seu vocabulário emocional, você pode se tornar mais autoconsciente e melhorar sua capacidade de tolerar e gerenciar emoções difíceis.

3. Pratique a atenção plena

Eu sei, eu sei… O termo mindfulness é usado em todo lugar nos dias de hoje. Tanto é assim que corre o risco de perder qualquer significado. Porém, poucas coisas são tão benéficas para construir suas habilidades de gerenciamento de emoções e saúde mental do que uma prática consistente de atenção plena. A atenção plena é simplesmente a arte de treinar sua atenção. Quanto mais forte for sua capacidade de regular sua atenção, melhor você estará em navegar seus pensamentos e sentimentos difíceis que põem em risco sua produtividade (e bem-estar).

4. Trabalhe com um terapeuta ou coach

Não estamos mais em 1953. O que significa que você não precisa ter vergonha de ver um terapeuta, conselheiro ou coach. Embora esses profissionais sejam associados a problemas de saúde mental, eles podem ser úteis para alguém que quer melhorar seu desempenho do ponto de vista psicológico.

Resumo e pontos-chave

A maioria das lutas de produtividade tem muito pouco a ver com ferramentas, técnicas ou até idéias e tudo a ver com emoções. Porque a maioria de nós não é treinada para identificar e gerenciar efetivamente nossas emoções difíceis, muitas vezes nos desviamos delas e nosso trabalho – para não mencionar nosso bem-estar – pode ser prejudicado.

A chave para melhorar nosso trabalho e produtividade a longo prazo é desenvolver melhores habilidades de gerenciamento de emoções, como uma conversa interna realista, um vocabulário emocional melhorado e treinamento de atenção por meio da atenção plena.

Referência(s)

Nick Wignall -To Achieve Your Potential, You Must Learn to Master Your Emotions.

Autor: Ronaldo Lundgren

Possui graduação pela Academia Militar das Agulhas Negras; é Mestre em Estudos Estratégicos pelo US Army War College; e Doutor em Ciências Militares pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército.

Deixe uma resposta