Como discordar do chefe sem se queimar?

Share

por Ronaldo Lundgren.

O jornal Folha de São Paulo publicou algumas sugestões, oferecidas pelo especialista em RH Joel de Souza Dutra, para orientar aquele(a) funcionário(a) que está incomodado(a) com as atitudes ou decisões tomadas por seu chefe.

Daí, a pergunta: Como discordar do chefe sem se queimar?

Antes de apresentar as sugestões de Joel de Souza, vale descrever uma situação real (preservando a identidade dos envolvidos). Neste caso, a forma de abordagem foi bem feita, alcançando a intenção da funcionária.

Vamos ao caso

O clima no ambiente de trabalho não estava bom. Embora houvesse um bom nível de entendimento entre os membros da equipe, a postura do chefe causava muitas queixas. Sempre comentadas internamente, em particular.

Vale dizer que isto é normal em, praticamente, todas as organizações. Funcionários tendem a formar grupos pequenos, fechados, que passam a criticar de forma velada os chefes e outros funcionários que ficaram de fora.

Cabe ao chefe perceber o que se passa e, a partir de sua posição, agir com liderança para integrar toda a equipe. Não é uma tarefa fácil. Ainda mais, se o chefe acha que o tema liderança é um monte de baboseiras.

A rotina de trabalho continuava dentro daquela normalidade. A equipe ficando cada vez mais unida e o chefe cada vez mais isolado. Continuaria assim por muito tempo se não viesse acontecer algo que pudesse afetar a integridade da equipe. Mas, aconteceu…

Uma das integrantes da equipe passou a considerar sua saída da empresa. As atitudes prepotentes do chefe a incomodavam demais. Típico caso de diferença de valores (ver Conflito de Valores). Quando os outros integrantes da equipe viram que a posição da amiga era séria e não só “maneira de falar”, foi disparado o gatilho para se falar com o chefe.

Como dizer para o chefe que suas atitudes não estavam sendo benéficas para a equipe? Como discordar do chefe sem se queimar? O que a equipe fez?

Sugestões de RH

Antes de apresentar o que a equipe fez no caso real descrito, vejamos as sugestões de Joel de Souza Dutra:

CAUTELA
Não comece pelo problema mais grave. Rodeie a questão aos poucos e veja como o chefe responde à crítica. Se necessário, faça elogios antes de questionar.

CRÍTICA
Ao questionar algo, enfatize que você está tentando ajudar. Deixe claro que não se trata de uma diferença pessoal. Caso sinta que a discussão não anda, encerre a conversa.

REFORÇOS
Se a situação for delicada, vale a pena trazer para a conversa outra pessoa que compartilha de sua opinião, como um colega próximo.

SUTILEZA
Fique atento aos sinais de linguagem corporal. Se ele aumentar o tom de voz ou estiver com uma postura defensiva, aborte o plano.

O que a equipe fez

Retornando ao caso real, vejamos o que a equipe fez.

DEFINIU SEUS OBJETIVOS

A equipe sabia que o clima no ambiente de trabalho só melhoraria se o chefe mudasse algumas atitudes. E a equipe queria continuar com todos os seus membros.

BUSCOU SOLUÇÕES

É sempre melhor apresentar um problema tendo uma ou mais soluções para oferecer ao chefe. Assim, você não é visto como o “mensageiro de más notícias”, mas aquele que tem opções factíveis a sugerir. No caso, a solução escolhida foi realizar atividades de integração na empresa (ver 7 formas baratas de motivar os funcionários da sua empresa)

APRESENTOU A SUGESTÃO PARA SUPERAR A CRÍTICA

A representante da equipe que liderou este movimento, marcou uma reunião com o chefe, apresentou a necessidade de se incrementar o relacionamento entre os funcionários, tendo em vista a uma deteriorização no clima no ambiente de trabalho.

Conclusão

O caso real foi coroado de sucesso. O chefe entendeu a situação e, de imediato, decidiu que uma vez por semana seria realizada uma atividade com o objetivo de melhorar o clima organizacional. As atividades têm acontecido com regularidade. Os resultados começam a aparecer.

Finalizando, você dispõe de duas sugestões de como abordar seu chefe sem se queimar. Afinal, não compensa “ficar bem na fita” com seus companheiros de equipe e perder o emprego.

Caso tenha gostado do texto, compartilhe-o.

Autor: Ronaldo Lundgren

Possui graduação pela Academia Militar das Agulhas Negras; é Mestre em Estudos Estratégicos pelo US Army War College; e Doutor em Ciências Militares pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército.

Deixe uma resposta