Como a liderança transformadora molda a proatividade da equipe

Share

Como a liderança transformadora molda a proatividade da equipe

liderança transformadora molda a proatividade da equipe

A teoria da liderança transformacional

Burns (1978) foi o primeiro autor a contrastar a liderança “transformadora” e “transacional”.

A liderança transacional envolve uma relação de troca entre líderes e seguidores. Assim, os seguidores recebem salários ou prestígio por cumprirem os desejos do líder. A liderança transacional engloba recompensa e gerenciamento por exceção.

Em contraste, os líderes transformacionais motivam os seguidores a alcançarem o desempenho além das expectativas. Com isso, é possível transformar as atitudes, crenças e valores dos seguidores em oposição a simplesmente obter uma recompensa.

Proatividade

A necessidade de ser proativo é cada vez mais requerida. Afinal, antecipar o futuro e agir é o que permite dominar a mudança em um ambiente de trabalho complexo e incerto.

liderança transformadora molda a proatividade da equipe

Saber como promover a proatividade no trabalho tornou-se um tópico importante na pesquisa do comportamento organizacional.

Até o momento, os estudiosos dedicaram muita atenção ao entendimento de como promover a proatividade em nível individual.

No entanto, ser proativo também é relevante para as equipes.

As equipes, como unidades de trabalho, são entidades para realizar tarefas específicas. Elas podem ser pró-ativas quando adotam uma abordagem de iniciativa própria e persistente em relação ao trabalho em nível coletivo.

Ser proativo em nível de equipe é fundamental, pois pode ajudar as equipes a operar com eficiência para dominar a incerteza e a mudança.

Para facilitar a proatividade da equipe, estudos sugeriram que os líderes podem capacitar as equipes proporcionando autonomia. É como adotar um processo de “poder fazer”. Ou seja, deixar a equipe decidir.

O líder também deve esclarecer o significado do trabalho. Deve explicar a “razão para” se fazer aquele que é necessário.

Embora o poder fazer e a razão para fazer sejam importantes, um mecanismo tem sido negligenciado. O papel afetivo na formação da proatividade.

Desafios

Ser proativo para fazer mudanças no nível de equipe é desafiador e exigente em muitos aspectos.

É preciso esforço para que uma equipe identifique oportunidades em potencial.

Pesquise formas alternativas de melhorar. E, mais importante, coordene as atividades dentro e entre as equipes para alcançar uma ação coletiva para efetuar a mudança.

Para superar tais desafios, ter capacidade e razões não é suficiente se uma equipe não tem energia para sustentar tais atividades de esforço.

Portanto, é útil identificar líderes que possam energizar as equipes para serem mais proativas.

Os líderes transformacionais, que tendem a motivar afetivamente seguidores com comunicação inspiradora, podem cultivar um tônus ​​afetivo de grupo positivo dentro de uma equipe.

O afeto positivo aumenta os recursos cognitivos e comportamentais para as equipes:

  • estabelecerem metas focadas no futuro e orientadas para a mudança;
  • terem uma melhor coordenação dentro das equipes; e se
  • engajarem em atividades para alcançar os resultados esperados.

O tom afetivo positivo do grupo será mais crítico para promover a proatividade da equipe para equipes com maior variedade de tarefas.

Isso ocorre porque uma maior variedade de tarefas da equipe indica uma situação de trabalho exigente que requer recursos mais cognitivos e comportamentais para abordar as metas e mudanças proativas desejadas.

Compreender “quando” um efeito acontece informa “por que” isso acontece.

Conheça um mecanismo de energização através do qual os líderes podem moldar a proatividade da equipe.

Por que a liderança transformacional pode levar a um tom afetivo positivo em uma equipe?

O tom afetivo do grupo descreve a extensão em que os membros de uma equipe têm reações afetivas positivas consistentes no trabalho.

O tom afetivo do grupo é relativamente estável ao longo do tempo. Tal estabilidade pode ser moldada por 2 tipos de processo:

  1. bottom-up – os membros da equipe têm experiências afetivas semelhantes devido ao contágio da emoção nas interações sociais.
  2. top-down – os membros da equipe terão experiências afetivas semelhantes devido ao processo de atração-seleção-atrito ou de socialização. Dizendo de outro modo: “reter membros que têm reações afetivas similares” ou “os novos membros assimilam suas reações afetivas à norma do grupo”.

Líderes transformacionais podem moldar o tom afetivo do grupo positivo por meio de processos top-down.

Em termos de processos de “baixo para cima”, os líderes transformacionais tendem a motivar e estimular o entusiasmo dos seguidores, fornecendo inspiração e apelos emocionais.

Como os líderes têm uma posição central na interação com os seguidores, eles podem influenciar as experiências afetivas dos membros da equipe pelo processo de contágio.

Também podem extrair emoções positivas quando os seguidores são influenciados pelos líderes na comunicação de coisas positivas à equipe.

Em termos de processos de “cima para baixo”, um estilo de liderança transformacional pode ser importante para atrair e reter membros que tenham características semelhantes à equipe.

É mais fácil para os líderes transformacionais cultivarem um tom afetivo dentro das equipes quando eles têm mais seguidores que tendem a gostar e expressar emoções positivas.

Líderes transformacionais também podem moldar normas grupais no que diz respeito a expressar emoções e ter reações afetivas positivas dentro das equipes. Isto leva seguidores, particularmente novos membros, a abraçar o clima positivo no trabalho.

Vantagens do clima para a proatividade

Vários estudos descobriram que os líderes transformacionais podem extrair emoções positivas dos seguidores e moldar o tom afetivo dentro das equipes.

O tom afetivo positivo pode contribuir para a proatividade da equipe.

As equipes com um tom afetivo positivo mais forte estarão mais abertas a novas informações. Também tenderão a gerar novas ideias para provocar mudanças.

Esse comportamento ocorrerá porque os integrantes são mais propensos a experimentar afeto positivo no trabalho. Portanto, têm uma maior flexibilidade e capacidade de ver coisas diferentes.

É muito provável que a geração de ideias e a identificação de oportunidades ocorram como um tom afetivo, sinalizando um ambiente positivo e agradável no qual os membros da equipe terão maior disposição para compartilhar suas ideias e trocar informações com outros membros da equipe.

Apoiando essa visão, o tom positivo do grupo tem sido ligado à criatividade da equipe.

Além disso, devido ao efeito positivo sobre a motivação, os membros da equipe são mais propensos a projetar um objetivo futuro. E se esforçam para atingir esse objetivo motivados.

Tais tendências serão facilitadas porque as equipes com maior tônus ​​afetivo positivo são mais propensas a ter uma melhor coordenação e cooperação para construir e atingir um objetivo comum.

Portanto, o tom afetivo positivo do grupo pode contribuir para a proatividade da equipe fornecendo recursos cognitivos e comportamentais.

Considerações finais

Como os líderes podem moldar a proatividade da equipe?

Em contraste com o papel da liderança na construção da capacidade da equipe (o processo “pode fazer”) e os significados do trabalho (o processo “razão para”), os líderes podem promover a proatividade da equipe cultivando um tom afetivo positivo, refletindo um processo energizante na motivação da proatividade.

Esse entendimento sugere uma implicação prática ampla. Ou seja, ter líderes transformacionais é fundamental para tornar as equipes proativas.

O que é mais crítico para sustentar a proatividade da equipe?

A resposta está no componente afetivo. Pois, estabelecer um tom afetivo positivo é a chave para sustentar a proatividade da equipe.

Além do foco no componente afetivo da liderança transformacional, também é válido considerar o uso dos processos de “cima para baixo e/ou bottom-up”, como mencionado anteriormente.

Referência(s)

Chia-Huei Wu e Zhen Wang – How transformational leadership shapes team proactivity: the mediating role of positive affective tone and the moderating role of team task variety.

Autor: Ronaldo Lundgren

Possui graduação pela Academia Militar das Agulhas Negras; é Mestre em Estudos Estratégicos pelo US Army War College; e Doutor em Ciências Militares pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército.

Deixe uma resposta