Baixa produtividade e competências em falta

Share

por Ronaldo Lundgren.

Produtividade

Baixa produtividade. O Brasil tem baixa produtividade. Nossos trabalhadores produzem pouco para o resultado do produto interno bruto. Um trabalhador brasileiro gera cerca de US$ 20.000,00 por ano para o PIB. Os dados da The Conference Board Total Economy Database, relativos a 2013, são bastante expressivos.

PaísPIB/Trabalhador/Ano (US$)
EUA114.914,00
Austrália91.943,00
Canadá85.274,00
Alemanha79.896,00
Coreia do Sul66.438,00
Federação Russa37.410,00
México37.271,00
Argentina33.664,00
África do Sul32.423,00
Brasil19.833,00
China19.666,00
Índia10.651,00

Segundo documento da Confederação Nacional da Indústria (CNI) – ‘Custo do trabalho e produtividade: comparações internacionais e recomendações‘ – a produtividade do trabalho no Brasil não somente é inferior à dos países desenvolvidos e à de diversos países em desenvolvimento como vem crescendo muito pouco desde o início da década de 2000.

A produtividade do trabalho no país corresponde a menos de um quinto da dos Estados Unidos, cerca de um quarto da Alemanha e pouco menos de um terço da Coreia do Sul. É ainda inferior à da Federação Russa, do México, da Argentina e da África do Sul, embora seja ligeiramente superior à da China e praticamente o dobro da registrada na Índia. Calculam-se taxas de crescimento da produtividade da economia brasileira da ordem de 1% ao ano.

A solução para corrigir essa baixa produtividade é demorada. Passa por uma melhoria da capacitação dos trabalhadores, melhoria da educação, da infraestrutura (estradas, energia, portos, etc), da segurança pública, da previsibilidade das normas jurídicas. São muitas áreas a serem trabalhadas. É uma tarefa que deve ser coordenada pelo poder público, com a participação de vários outros atores com interesse no tema.

Os dados da pesquisa “Falta de trabalhador qualificado reduz a competitividade da indústria”, publicada em outubro de 2013 pela CNI, mostram que 65% das empresas consultadas enfrentam problemas com a falta de trabalhador qualificado.

As 5 competências mais em falta nas empresas

A empresa de coaching MB Soluções conseguiu identificar algumas carências na qualificação dos trabalhadores. Segundo a empresa, “Nos trabalhos com nossos clientes usando nossa ferramenta de Mapeamento Profissional, conseguimos identificar as 5 competências mais importantes para pequenas e médias empresas e que mais constantemente estão em falta no seu quadro de funcionários”. São elas:

  1. Comunicação – fundamental para que todo profissional se comunique e se relacione bem em qualquer situação.
  2. Criatividade e Inovação – importante para acompanhar o ambiente competitivo atual nas empresas e garantir a satisfação dos clientes.
  3. Flexibilidade a Mudanças – evita a acomodação e a falta de disciplina que são prejudiciais para o futuro das pessoas e dos negócios.
  4. Liderança – saber motivar colaboradores para atingir melhores resultados nas empresas;
  5. Trabalho em Equipe – proporciona um bom relacionamento com todos na empresa, saber ouvir, opinar e discutir ideias são fundamentais.

O que pode ser feito

Essa combinação de baixa produtividade e competências em falta nas empresas podem ser atenuadas. A despeito da dificuldade, ações podem ser implementadas. As lideranças dos vários setores do país podem adotar medidas para compensar o apagão de mão de obra.

Medidas simples, tais como: inclusão de mulheres – que possuem um nível médio de escolaridade maior do que os homens; mudança de processos – empregando mais tecnologia da informação; retenção de talentos – seja por políticas salariais, benefícios e/ou delegação de novas responsabilidades; e conquistar os jovens – indo “caça-los” ainda na escola, estimulando e desenvolvendo o interesse pelo portfólio da empresa.

Que outras sugestões você acrescentaria? Comente. Compartilhe.

Autor: Ronaldo Lundgren

Possui graduação pela Academia Militar das Agulhas Negras; é Mestre em Estudos Estratégicos pelo US Army War College; e Doutor em Ciências Militares pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército.

Deixe uma resposta